Fellipe Lucena
24/04/2016
18:27
São Paulo (SP)

Santos e Palmeiras parecem destinados a acertar contas a partir da marca do pênalti. É um clássico fadado, também, a fazer vilões e heróis mudarem de posto num piscar de olhos. Esse foi o enredo da classificação do Peixe à sua oitava final estadual seguida: empate incrível no tempo normal, 2 a 2, seguido por vitória alvinegra nos pênaltis, por 3 a 2. O Audax será o adversário.

Fernando Prass, o herói da Copa do Brasil de 2015, mandou na trave a cobrança que classificou o Peixe. Ele defendeu o tiro de Lucas Lima antes disso, mas o goleiro-herói da vez foi Vanderlei, que parou Barrios e Rafael Marques. Rafael Marques que até ali era o grande nome do jogo por ter marcado dois gols quando os santistas já comemoravam a vaga, graças a Gabigol, também autor de dois gols.

Nos pênaltis, Cleiton Xavier abriu a série e fez. Fernando Prass defendeu o de Lucas Lima. Barrios parou em Vanderlei. David Braz empatou. Jean balançou a rede, Zeca também. Rafael Marques parou no goleiro, assim como nas duas decisões por pênaltis do ano passado. Victor Ferraz colocou o Peixe na frente. E Prass, dessa vez, ficou na trave.

O JOGO

O Santos faz da Vila Belmiro uma de suas armas para asfixiar os rivais. Com as arquibancadas tingidas só de preto e branco, dada a ausência da torcida visitante, o cerco se fecha. Foi assim no primeiro tempo.

Se o Palmeiras demorou 32 minutos para permitir que Vanderlei se fizesse notar, espalmando um chute forte de Róger Guedes, o Peixe teve a bola o tempo todo. Fernando Prass se virou enquanto foi possível, mas não teve como evitar o primeiro de Gabriel, aos 39: da enfiada de Lucas Lima ao tiro consciente do artilheiro, passando pelos dribles em Egídio e Vitor Hugo, a jogada foi perfeita.

O placar poderia ter sido movimentado antes se o árbitro marcasse os pênaltis pedidos pelo Santos, primeiro em uma bola que bateu na mão de Róger Guedes e depois no chute que Vitor Hugo acertou em Gustavo Henrique ao tentar cortar.

Cuca mexeu aos 15 minutos da etapa final, com Cleiton Xavier na vaga do desaparecido Robinho e Rafael Marques no lugar de Alecsandro. Não demorou para David Braz cochilar e dar um presente a Gabriel Jesus, que desperdiçou a chance de enfim marcar um gol em clássicos.

O Palmeiras pagou o preço. Foi de um passe errado de Matheus Sales, justo ele, que surgiu a jogada do segundo gol, aos 28. O Santos trocou passes da direita para a esquerda até Lucas Lima, justo ele, achar Zeca. O lateral rolou e Gabriel fuzilou.

Fim de papo? Quem viveu as decisões do Paulistão e da Copa do Brasil do ano passado jamais poderia pensar assim. Rafael Marques viveu. E foi ele quem fez o Palmeiras ressurgir com gols aos 42 e aos 43 minutos, o primeiro com passe de Barrios (que entrou muito bem na vaga de Jesus) e o segundo aproveitando cruzamento de Cleiton Xavier. Repare nos nomes e note o tamanho da estrela de Cuca...

Mas, como já foi dito, a linha que separa heróis de vilões é muito tênue nesse clássico centenário. De novo quem dá bola é o Santos.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 2 (3) X (2) 2 PALMEIRAS

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data-Hora: 24/4/2016 - 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Auxiliares: Anderson José de Moraes Coelho e Alex Ang Ribeiro
Público-Renda: 13.690 pagantes / R$ 688.235,00
Cartões amarelos: Elano e Gabigol (SAN), Egídio, Alecsandro, Gabriel, Thiago Martins, Matheus Sales, Vagner e Vitor Hugo (PAL)
Gols: Gabigol 39' 1ºT (1-0); Gabigol 28' 2ºT (2-0); Rafael Marques 42' 2ºT (2-1); Rafael Marques 43' 2ºT (2-2)
Nos pênaltis:
Acertaram: David Braz, Zeca e Victor Ferraz (SAN) Cleiton Xavier e Jean (PAL)
Erraram: Lucas Lima (SAN), Lucas Barrios e Fernando Prass (PAL)

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia (Léo Cittadini 31' 2ºT), Renato, Lucas Lima e Vitor Bueno (Paulinho 26' 2ºT); Gabigol (Alison 36' 2ºT) e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior

PALMEIRAS: Fernando Prass, Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Gabriel, Matheus Sales, Robinho (Cleiton Xavier 14' 2ºT) e Roger Guedes; Alecsandro (Rafael Marques 14' 2ºT) e Gabriel Jesus (Lucas Barrios 34' 2ºT). Técnico: Cuca