Thiago Salata
11/06/2018
07:45
São Paulo (SP)

Nathan Allan de Souza foi negociado pelo Atlético-PR ao Chelsea (ING) por cerca de R$ 23 milhões, em 2015, aos 19 anos. Hoje com 22, o meia-atacante brasileiro, com passagens por seleções de base, acumula experiência em três países da Europa, mas ainda não sabe quando terá a chance de ser aproveitado pelo clube que o comprou para realizar o sonho de jogar na Premier League.

Emprestado pelos ingleses por duas temporadas ao Vitesse, da Holanda, e depois ao Amiens, da França, onde pouco jogou, Nathan passou os últimos seis meses em Portugal, defendendo o Belenenses, clube este que está próximo de acertar a renovação de seu empréstimo por mais uma temporada.

- Eu devo ficar mais um ano em Portugal, é também um desejo meu. Foi um clube que abriu as portas para mim, me recebeu bem. O técnico é o Silas, que foi um grande jogador, e ter ele como treinador me ajudou muito. É um cara que jogou na mesma posição que eu jogo - afirmou Nathan, ao L!.

O Belenenses terminou em 12º lugar no Campeonato Português, que tem 18 clubes na primeira divisão. O brasileiro chegou a Portugal no meio da temporada da Europa, após seis meses em que teve problemas na França. Nathan chamou atenção por marcar dois gols contra Porto e Benfica, os principais clubes portugueses (dois primeiros colocados). Sendo acompanhado de perto pelo Chelsea, ele diz não ter pressa de ter sua chance na Inglaterra.

- Eu tenho a cabeça bem tranquila. Em algum momento vai chegar a minha oportunidade de jogar pelo Chelsea. Espero agora fazer mais uma boa temporada no Belenenses. Eu vou deixando levar, não sei quando essa chance vai aparecer. Venho crescendo como pessoa e como jogador vivendo na Europa e logo esse sonho de uma Premier League vai se realizar - disse Nathan.

O ex-jogador português Paulo Ferreira, que defendeu o Chelsea de 2003 a 2014, hoje trabalha no clube e é o responsável por fazer os relatórios de Nathan e repassá-los ao clube inglês. 

- Eles acompanham meus passos, estão sempre em Portugal, fazendo vídeos e estatísticas. Trazem tudo o que eu preciso melhorar, o que preciso fazer bem. O Paulo é muito atencioso, eu gosto dessa atenção que o Chelsea me dá, isso significa que eles têm grande expectativa comigo - comentou o brasileiro.

Nathan deixou o Brasil em março de 2015, quando seu contrato com o Atlético-PR terminou em meio a uma briga jurídica, que acabou levando o Chelsea a pagar cerca de R$ 23 milhões pelo meia, com passagens pelas seleções sub-17 e sub-20. Já são três anos de Europa. Mesmo fora dos grandes centros, a avaliação do jogador é que estar fora do Brasil é um ganho profissional.

- Quando um jogador brasileiro de posição "camisa 10", como era a minha, chega na Europa, é diferente. Não tem 10 centralizado por lá. Eu me adaptei a outras posições, foi difícil no começo. O jogo no Brasil é mais solto, já na Europa você joga um jogo com mais esquema tático. Eu me adaptei bem na Holanda, o Vitesse tem gente ligada ao Chelsea. Na França não fui feliz, prefiro nem comentar muito, e me reergui em Portugal - afirmou.

- Hoje eu nem sei mais minha posição. O Silas já me colocou de centroavante,de ponta, de volta. Só falta lateral, zagueiro e goleiro (risos). Estou feliz com o aprendizado que a Europa está me dando. Foi importante esse crescimento, aqui no Brasil você acaba ficando numa zona de conforto, tem menos marcação. Eu gosto do futebol moderno, muito contato, muita marcação, um jogo mais inteligente. Sair cedo do Brasil me ajudou - completou.

Nascido em Blumenau em 1996, Nathan fez categorias de base no Atlético-PR, clube o qual defendeu profissionalmente por 20 partidas em 2014 e 2015.