óscar tabárez coletiva (Foto: Vladimir Rodas/AFP)

Oscar Tabárez coletiva (Foto: Vladimir Rodas/AFP)

Jorge Señorans - do "El Observador" - Pool do LANCE!
09/03/2016
09:41
Montevidéu (URU)

"Referí", site de esportes do jornal "El Observador", do Uruguai, publicou matéria nesta semana destacando os 10 anos de Oscar Tabárez dirigindo a seleção do Uruguai. Confira o texto abaixo e o original aqui.

Existem coisas que os uruguaios desconhecem do técnico Oscar Tabárez, como por exemplo, a intenção dele em incentivar os jogadores juvenis a ler sobre a história vitória sobre o Brasil, no Maracanã, em 1950.

- Faz parte da formação dos jogadores - diz o "Maestro".

Não dá para acreditar no "chororô" de Suárez quando perde uma pelada em que joga de goleiro e fica uma hora sem falar com os seus "rivais". E muito menos dá para imaginar que não chama nenhum jogador.

Como o tempo passa... Parece que foi ontem o comentado regresso do plantel da Copa América de 2007 desobedecendo a voz do técnico e polêmica que se creio e provocou uma primeira limpeza. Ou uma visita de Casal à concentração, gerando a polêmica sobre sua influência na seleção. Ou alguma outra polêmica com a imprensa.

Depois o protagonista foi o futebol. A sofrida repescagem com a Costa Rica. A mão de Suárez. A cavadinha do Loco. O quarto lugar no Mundial. A caravana. A Copa América. Outro Mundial.

Já se foram 10 anos. Um dia como hoje, mas em 2006, Oscar Tabárez voltava à seleção. Pode se estar de acordo ou não com o seu estilo, que primeiro se preocupa com o seu próprio gol antes do pensar no do rival. Não se pode negar que revolucionou a Celeste e devolveu ao seu lugar no futebol.

Como chegou? Qual o seu pensamento e a metodologia? Por que apostou em um determinado perfil de jogador? O que se deve fazer para trilhar um caminho em um esporte reinado pelas vaidades?

O seu plano de trabalho não tem grandes novidades, mas o curioso é que, no passado, as ideias eram colocadas em contagotas: apostar um perfil de jogador que se entregue gerar um processo desde os juvenis. E aproveitar três jogadores fora de série. Primeiro Forlán, depois suárez e Cavani. E ter líderes lá atrás, como Godín e Lugano...

No livro "Vamos que Vamos", o argentino Jorge Valdano escreveu que "nesses tempos de estrelas, espaço em que estavam astros do cinema ou do rock, o companheiro, a bermuda, o chinelo seguem presentes aqui. Juvenal fez a mancheste de 1987: A grande humildade dos uruguaios é recordar suas raízes, sua história".

Tabárez ratifica isso com um pensamento. Transmite aos jovens: O Maracanazo não nasceu do nada. Obdulio Varela disse: Nós tínhamos a geração olímpica em um altar. Houve uma continuidade na maneira de ser. Não quero dar nomes, mas é capaz que os jogadores do futuro observem os atuais. Ler, informar-se sobre o Maracanazo, sobre a geração olímpica, é parte da formação do jogador. Mas por que? Para ser parte de uma identidade, que o exterior sabe reconhecer.

O ex-presidente José Mujica escreveu sobre Tabárez em seu livro: "Ele está exibindo muitas coisas e esta demonstrando ao mundo o milagre de pequeno país demograficamente - que é um bairro de São Paulo, mas que pode fazer coisas mais ou menos parecidas com o que os políticos fariam... Que aprender de sua lição? O trabalho lógico, o trabalho coletivo, a sua sensibilidade e sua humildade".

Na última segunda-feira, dia 6, completou-se 10 anos do retorno de Tabárez a seleção do Uruguai. O tempo passa e muitos se perguntam o que acontecerá depois do Maestro. Alguns me dizem que é um enigma, pelo menos talvez nos faça refletir.

FEITOS DE TABÁREZ EM 10 ANOS COM A SELEÇÃO URUGUAIA:


- Campeão da Copa América de 2011

- Quarto lugar na Copa do Mundo de 2010

- Oscar Tabárez comandou a Seleção do Uruguai em 159 jogos

- Sob o comando de Tabárez, o Uruguai fiou de 8 de junho de 2011 a 15 de agosto de 2012 sem perder. Ao todo, foram 18 partidas invicto.

- Com Tabárez, o Uruguai retornou aos Jogos Olímpicos. Depois de 84 anos, a seleção uruguaia disputou os a Olimpíada de 2012, em Londres.

- Em 2010, o Uruguai conseguiu o feito de classificar todas as suas seleções para mundiais de todas as categorias que foram disputados naquele ano.


- Em 2011, quando foi campeão da Copa América, Tabárez foi o melhor técnico de seleções do mundo.

- Insatisfeito pela punição da Fifa a Luís Suárez pela mordida em Chiellini, na Copa de 2014, Tabárez renunciou ao cargo que tinha como membro da Fifa.

- Além das conquistas com a seleção, individualmente,neste período à frente do Uruguai, Tabárez foi nomeado cidadão ilustre de Montevidéu e campeão do esporte pela Unesco.