Guerrero - Flamengo

Guerrero viajou no fim de semana para a Suíça (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Guilherme Abrahão
30/04/2018
15:52
Rio de Janeiro (RJ)

Faltam três dias para o destino de Paolo Guerrero ser resolvido. Na quinta-feira, o atacante será julgado na Suíça, pela Corte Arbitral do Esporte (CAS) e poderá pegar um gancho de seis meses a dois anos de suspensão. Coincidentemente, no mesmo dia, termina a primeira punição do atacante (seis meses). A defesa do jogador, que será feita pelo advogado Bichara Netto, confia que o jogador será absolvido e receberá apenas uma advertência. Pessoas próximas estão um pouco reticentes e com medo da pressão feita pela Wada - sigla inglês para Agência Mundial Antidoping.

Quando condenado, inicialmente, Paolo Guerrero pegou um ano de suspensão ao testar positivo para benzoilecgonina, principal metabólito da cocaína. A alegação, que fez diminuir a pena para seis meses, é a mesma que será mantida no CAS, na quinta-feira: ingestão acidental de um chá com a substância. Isto é, o atacante não sabia que estava utilizando a substância proibida.

Bichara Neto, que irá representar a defesa do jogador, embarcou na tarde da segunda-feira, ao lado do bioquímico LC Cameron, Chefe do Departamento de Genética e Biologia Molecular da UniRio, que irá atestar em favor do jogador. E a confiança, por enquanto, é considerada alta.

- Mantivemos a mesma estratégia de defesa, porque foi o que realmente aconteceu. Adotamos cautela, mas estamos confiantes que o Guerrero será absolvido.  Este é o resultado mais correto. No máximo uma advertência, mas acreditamos que ele voltará a jogar futebol. No final de semana, inclusive, ele já estaria liberado para atuar pelo Flamengo - comentou ao L!, Bichara Neto.

"Mantivemos a mesma estratégia de defesa, porque foi o que realmente aconteceu. Adotamos cautela, mas estamos confiantes que o Guerrero será absolvido. Este é o resultado mais correto", Bichara

O novo julgamento foi um pedida da Agência Mundial Antidoping, que contestou a redução da pena de um ano para seis meses. E mais, a ideia é elevar em até dois anos a suspensão do jogador, o que o praticamente daria fim, de forma precoce, a sua carreira, já que o peruano completa 35 anos neste ano. Além disso, veria a chance de jogar a primeira - e provavelmente única - Copa do Mundo indo por água abaixo.

- A Wada achou que a redução da pena foi grande e não de forma correta. Eles acham que a Fifa não puniu de forma severa ao aceitar a redução e por isso pediram um novo julgamento, que era para acontecer no início do ano. Coincidentemente acontecerá no dia em que acaba a suspensão do Guerrero. Assim, se tudo correr como planejamos, seguindo a tese que adotamos, ele estará liberado na sexta-feira - contou Bichara.

No tribunal, Guerrero ficará de frente com três pessoas que vão decidir o seu futuro. O juri do CAS, em geral, decide por unanimidade.  Assim sendo, se absolvido, serão três votos a favor. Se condenado, serão três votos contra. 

CONFIANÇA NÃO ESTÁ EM TODOS

Obviamente, a defesa de Paolo Guerrero está expondo confiança pela absolvição do jogador. A tese mantida vem sendo trabalhada desde de novembro do ano passado, com alguns ajustes que provem que o atacante não ingeriu de forma proposital a substância proibida. Além disso, acredita-se que os seis meses longe dos gramados já foram sinal de severa punição, mesmo com a defesa nunca concordando com o veredito da Fifa.

Guerrero deve ser substituído por Vizeu contra o Grêmio
Guerrero já está treinando com elenco do Flamengo (Gilvan de Souza / Flamengo)

Por outro lado, pessoas próximas ao jogador não mostram tanta confiança na absolvição de Guerrero. Pelo contrário, acredita-se que a pressão da Agência Mundial Antidoping pode prejudicar o jogador. Mesmo que pegue mais seis meses de suspensão, o que o faria retornar aos gramados apenas no dia 3 de novembro, deixaria o camisa 9 rubro-negro fora da Copa do Mundo. Neste momento, este é o maior medo do atacante.

Alheio a isso, está o Flamengo. A diretoria observa passo a passo da situação do jogador. Se Guerrero for punido por mais seis meses, ele retorna ao gramados já sem contrato com o Rubro-Negro, que termina no dia 10 de agosto.

Flamengo já pagou R$ 12 milhões, desde 2015, em luvas para  Paolo Guerrero e não quer pagar mais em uma renovação

NOVA OFERTA DO FLA DEPENDE DE JULGAMENTO, DESTA VEZ

O Flamengo ouviu dos advogados de Paolo Guerrero que as chances dele ser absolvido são grandes e por isso espera já poder contar com o atacante no domingo, no Maracanã, diante do Internacional. Anteriormente, o clube já havia feito uma proposta, independente de uma nova punição ou não. A primeira oferta, foi de renovação até dezembro, renovável por mais um ano, acordo que não agradou ao jogador e a OTB - que cuida de sua carreira.

Guerrero e seus agentes querem pelo menos mais dois anos de vínculo, com a manutenção do salário atual e mais uma bonificação em luvas, a serem debatidas. Contudo, o Flamengo estuda a ideia de dois anos de contrato, caso o camisa 9 seja mesmo absolvido.

O principal entrave, neste momento, para a diretoria do Flamengo é arcar com mais luvas pela assinatura do vínculo. Isto porque, ao todo, desde 2015, o Flamengo vai dispender R$ 12 milhões de bonificação. Foram pagos R$ 4 milhões à vista e o restante parcelado em 36 vezes. A última parcela de R$ 200 mil será paga junto com os vencimentos de agosto, quando encerra o vínculo do atacante.