Marcello Neves*
09/05/2018
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Faltando poucos dias para a Copa do Mundo da Rússia, Gabriel Jesus será o responsável por cumprir a missão que Romário executou em 1994: ser a referência no ataque para levar o Brasil ao título. Sem papas na língua, o Baixinho conversou com a reportagem do LANCE! e mostrou que nem mesmo a vida de senador da República tirou seu bom humor. Aos 52 anos, o eterno camisa 11 não vacilou para dar sua dica ao centroavante de 21.

- Transar bastante é uma das minhas dicas, assim como, aproveitar o máximo que puder nos dias de folga e, claro, se concentrar nos dias dos jogos e durante as partidas. Entender que a oportunidade seguinte será sempre a última, ou seja, faça o gol que talvez outra oportunidade não apareça - disse Romário.

O Brasil vai à Rússia com um jejum de 16 anos sem conquistar o título. É o segundo maior na história entre conquistas, perdendo apenas para os 24 anos entre as Copas de 1970 e 1994.  Romário tirou o país de uma longa fila, mas não soube responder se o período sem título pode trazer pressão aos jogadores pois, segundo ele, não passou por isso.

- Não sei se pesa para o jogador, para mim nunca pesou. Eu tive a oportunidade de jogar duas Copas, na verdade na Copa de 1990 eu disputei meio jogo, mas enfim, em nenhum momento entrei com esse peso, nem mesmo na Copa de 1994. Mas é bom que o Brasil possa ganhar logo para a gente não deixar outras seleções chegarem perto - lembrou.

romário
Romário com a taça da Copa do Mundo de 1994 (Foto: AFP)

Romário mostra que está bem de memória. Convocado para a Copa de 1990, o Baixinho ficou apenas 45 minutos em campo, entrando no segundo tempo da partida contra a Escócia. Sobre qual conselho poderia passar Gabriel Jesus, resumiu com a principal função que um camisa 9 tem que ter: "fazer gol".

- Não sou muito de dar conselhos, mas acredito que ele tenha bastante consciência do seu futebol e do que representa para a Seleção. Ele tem que chegar na Copa do Mundo e fazer gol. Isso é o que importa! - afirmou.

Mas, apesar da brincadeira, o ídolo lembra do período de adaptação que Gabriel Jesus está tendo no futebol europeu. Atualmente no Manchester City (ING), o atacante está em contato com outros atletas que atuarão no Mundial, e isso pode facilitar para brilhar na Rússia. É um torneio diferente, como o próprio Baixinho conta.

- O contato com o futebol europeu é muito importante, até porque lá você tem a oportunidade de jogar com 80% a 90% dos jogadores que vão participar do Mundial, então, é uma experiência diferente de quem está jogando apenas no Brasil - comentou, antes de completar:

- Copa do Mundo é uma competição totalmente diferente das outras, em que você tem que estar 100% concentrado e deixar todos os seus problemas de lado, senão você não vai conseguir realizar a melhor Copa possível.

*Sob supervisão de Thiago Salata