Juiz dá cartão para Barrios mas volta atrás

O árbitro Bruno Arleu de Araújo quase expulsou Barrios incorretamente (Foto: LANCE!TV)

LANCE!
07/11/2016
20:54
São Paulo (SP)

Marçal Mendes, presidente do Sintrace-RJ (Sindicato dos Trabalhadores da Arbitragem Esportiva do Estado do Rio de Janeiro) diz que há pressão para que os árbitros não errem em jogos do Palmeiras. De acordo com o relato, esta recomendação veio do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero. O dirigente é também conselheiro do Verdão, líder do Brasileiro.

- Se o árbitro erra contra o Palmeiras, lá dentro (do Allianz Parque), fica fora da escala. Duvido que seja indicado para uma vaga da Fifa (...) Todo mundo sabe o motivo. Sabe que Marco Polo é sócio benemérito do Palmeiras - disse Mendes, ao "portal Uol".

Na campanha do Brasileiro, o Palmeiras teve apenas três jogos com árbitros cariocas: Bruno Arleu de Araújo e Vagner do Nascimento Magalhães. O primeiro trabalhou na estreia do Brasileiro (4 a 0 sobre o Atlético-PR) e quase errou contra o Verdão (veja mais abaixo). Wagner do Nascimento Magalhães apitou na derrota para o Atlético-MG e na vitória sobre o América-MG, em Londrina. Nestes jogos, o árbitro não foi questionado.

A arbitragem tem sido tema recorrente nesta edição do Brasileiro. O Verdão quando se sente prejudicado costuma mandar documentos e vídeos à CBF, mas no último mês convocou uma entrevista para questionar a pressão do Flamengo. O time rubro-negro, por sua vez, também alega que o Palmeiras tem sido beneficiado nesta reta final. 

Os lances polêmicos contra e a favor do Palmeiras e os árbitros envolvidos:

Palmeiras 4 x 0 Atlético-PR - "Quase expulsão" de Barrios
O árbitro Bruno Arleu de Araújo mostrou o cartão vermelho a Lucas Barrios, que já tinha amarelo, alegando que ele simulou uma falta em lance com Paulo André. Alertado pelo assistente, voltou atrás e confirmou corretamente a infração a favor do Palmeiras. O juiz voltou a trabalhar na Série A apenas depois de 12 rodadas. 


Ponte Preta 2 x 1 Palmeiras - Gol mal anulado de Jesus e expulsão de Cuca

Após cruzamento da esquerda, Gabriel Jesus mata no peito e toca por cima do goleiro. O atacante estava adiantado desde o início da jogada, mas recebeu a bola após um desvio de cabeça de um defensor da Ponte Preta, o que o coloca em condição de jogo. A arbitragem marcou impedimento. No mesmo jogo, Leandro Vuaden expulsou o técnico Cuca por reclamação, mas o técnico tinha razão no lance: Tchê Tchê não cometeu a falta assinalada pelo juiz. Vuaden ficou só duas rodadas sem ser escalado.

São Paulo 1 x 0 Palmeiras - Suposta falta em Dudu
Alguns palmeirenses reclamam que Wesley teria cometido falta em Dudu ao desarmá-lo na jogada que terminou em gol de Paulo Henrique Ganso. O próprio Dudu, porém, deixou o gramado dizendo que não tinha nenhuma reclamação a fazer sobre o árbitro Ricardo Marques Ribeiro. O juiz ficou apenas uma rodada sem trabalhar na Série A.

Palmeiras 4 x 3 Grêmio - Gol impedido do Grêmio

Bressan estava impedido no lance do primeiro gol do Grêmio. Depois da partida, o técnico Cuca disse que absolvia o auxiliar Rodrigo Henrique Correa, responsável por deixar o lance seguir. Neste caso houve gancho: ficou oito rodadas sem ser escalado para partidas na Primeira Divisão.


Palmeiras 2 x 1 Flamengo - Pênalti não marcado para o Verdão

O árbitro Dewson Freitas acertou ao marcar pênalti e expulsar César Martins, que evitou um gol de Gabriel Jesus com a mão. Antes disso, porém, deixou de marcar um pênalti de Léo Duarte, que também usou a mão dentro da área. Foram três rodadas sem trabalhar para o juiz que já apitou em outros três jogos do Palmeiras depois disto.

Coritiba 2 x 2 Palmeiras - Gol impedido do Coritiba
O árbitro Anderson Daronco e seu auxiliar erraram ao validar o gol de Leandro, nos acréscimos, impedido. O lance tirou a vitória do Verdão no Couto Pereira. Neste caso, o juiz continuou trabalhando e cinco rodadas depois foi quem apitou a vitória do Verdão sobre o Sport. 

Palmeiras 3 x 1 Santa Cruz - Gol impedido de Grafite
O gol de honra do Santa Cruz no Allianz Parque foi marcado de forma irregular pelo atacante, que estava impedido.Neste caso, o árbitro Eduardo Tomaz de Aquino Valadão seguiu trabalhando normalmente.


Inter 0 x 1 Palmeiras - Suposto pênalti de Zé Roberto em Ariel

Na primeira vitória do Verdão no Beira-Rio desde 1997, os colorados reclamaram de um pênalti de Zé Roberto não marcado em Ariel. Andre Luiz de Freitas Castro continuou trabalhando também. 


Chapecoense 1 x 1 Palmeiras - Gol impedido de Kempes 

Kempes, autor do gol da Chape, estava impedido no lance em que Vagner cometeu a falha que o tirou do time. Depois deste jogo, o árbitro Wilton Pereira Sampaio apitou uma partida da Copa do Brasil, mas no Brasileiro ficou um mês sem ser escalado.

Palmeiras 2 x 1 São Paulo - Gol de Mina impedido
Neste caso, o gol da vitória do Verdão foi marcado de forma irregular pelo zagueiro colombiano. Sandro Meira Ricci voltou a arbitrar cinco rodadas depois, em São Paulo 0 x 0 Flamengo. Após duas semanas, trabalhou no confuso e polêmico Fla-Flu.


Corinthians 0 x 2 Palmeiras - Gol de Mina impedido

Mesmo caso do Choque-Rei: o camisa 26 estava em posição irregular no segundo gol da vitória alviverde. Heber Roberto Lopes desde então trabalhou em apenas mais um jogo: o empate entre Ponte Preta e Atlético-MG pela Copa do Brasil.


Figueirense 1 x 2 Palmeiras - Pênalti discutível em Gabriel Jesus, além de pênaltis não marcados em Rafael Silva e Dudu

A partida revoltou os donos da casa por considerar que a maioria dos lances decisivos foram apitados em favor do líder. Desde então, o árbitro Igor Junio Benevenuto não foi mais escalado.​

Palmeiras 2 x 1 Sport - Pênalti de Mina não marcado no lance do primeiro gol
Na jogada em que o Sport reclama de um toque na mão do zagueiro, o Verdão abriu o placar da vitória por 2 a 1, com Dudu. Ricardo Marques Ribeiro não trabalhou desde então na Série A. Está escalado para apitar nesta terça Londrina x Atlético-GO, pela Série B.