icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
24/08/2015
13:47

O Maracanã recebe cerca de 20 refugiados de diversos países, nesta terça-feira, para o lançamento do Futebol das Nações, projeto que promove a integração de refugiados no Brasil. A Tribuna de Honra do estádio será o palco da cerimônia, a partir das 10h, que contará com a presença do presidente do Maracanã, Sinval Andrade, do diretor executivo da Cáritas RJ, Cândido Feliciano, do representante do ACNUR no Brasil, Andrés Ramires, e a consultora sênior da ONU Mulheres Brasil, Júnia Puglia. Logo depois, os participantes disputarão uma partida de Futebol3 no campo do 'Templo do Futebol'.

O projeto Futebol das Nações busca promover a integração dos refugiados no Brasil e proporcionar um espaço de debate sobre temas relacionados à inserção dessas pessoas na sociedade, como preconceito, acesso ao mercado de trabalho, igualdade de gênero, violência contra as mulheres e até mesmo o ensino da língua portuguesa. A iniciativa é uma parceria do Maracanã e da Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro, com apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e da ONU Mulheres.

Segundo dados do Comitê Nacional para os Refugiados, o Brasil abriga um número recorde de aproximadamente 8 mil refugiados de 81 nações diferentes. Em 2014, o país recebeu 12 mil solicitações de refúgio. A Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro, instituição da Igreja Católica, atua de forma laica na proteção, integração e promoção social dos refugiados desde 1976.

Futebol3

A metodologia do Futebol3 foi desenvolvida pela ONG streetfootballword e prevê o uso do futebol como instrumento de transformação em três tempos: no primeiro, os jogadores conversam e definem as regras da partida; no segundo, é o jogo em si; e no terceiro, voltam a se reunir para uma roda de discussão sobre o que aconteceu em campo. É nesse momento que se trabalham as diferenças, expectativas e sentimentos dos participantes. No Futebol3, os gols valem tanto quanto o respeito às regras determinadas, o fair play e o diálogo entre os participantes.

O Maracanã recebe cerca de 20 refugiados de diversos países, nesta terça-feira, para o lançamento do Futebol das Nações, projeto que promove a integração de refugiados no Brasil. A Tribuna de Honra do estádio será o palco da cerimônia, a partir das 10h, que contará com a presença do presidente do Maracanã, Sinval Andrade, do diretor executivo da Cáritas RJ, Cândido Feliciano, do representante do ACNUR no Brasil, Andrés Ramires, e a consultora sênior da ONU Mulheres Brasil, Júnia Puglia. Logo depois, os participantes disputarão uma partida de Futebol3 no campo do 'Templo do Futebol'.

O projeto Futebol das Nações busca promover a integração dos refugiados no Brasil e proporcionar um espaço de debate sobre temas relacionados à inserção dessas pessoas na sociedade, como preconceito, acesso ao mercado de trabalho, igualdade de gênero, violência contra as mulheres e até mesmo o ensino da língua portuguesa. A iniciativa é uma parceria do Maracanã e da Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro, com apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e da ONU Mulheres.

Segundo dados do Comitê Nacional para os Refugiados, o Brasil abriga um número recorde de aproximadamente 8 mil refugiados de 81 nações diferentes. Em 2014, o país recebeu 12 mil solicitações de refúgio. A Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro, instituição da Igreja Católica, atua de forma laica na proteção, integração e promoção social dos refugiados desde 1976.

Futebol3

A metodologia do Futebol3 foi desenvolvida pela ONG streetfootballword e prevê o uso do futebol como instrumento de transformação em três tempos: no primeiro, os jogadores conversam e definem as regras da partida; no segundo, é o jogo em si; e no terceiro, voltam a se reunir para uma roda de discussão sobre o que aconteceu em campo. É nesse momento que se trabalham as diferenças, expectativas e sentimentos dos participantes. No Futebol3, os gols valem tanto quanto o respeito às regras determinadas, o fair play e o diálogo entre os participantes.