icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
02/02/2015
17:06

Insatisfeitos com o tabelamento dos preços dos ingressos para a disputa do Campeonato Estadual pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), Flamengo e Fluminense travam uma briga contra a entidade, que estipulou valores promocionais dos bilhetes para a competição. Indignados com a medida, os clubes emitiram um comunicado que dizia que eles poderiam até criar uma 'liga de clubes cariocas' se a decisão continuar nos campeonatos futuros.

- Não nos interessamos em participar de competições futuras organizadas nesses moldes e estudamos, em conjunto, a criação da Liga dos Clubes Cariocas – dizia a nota dos clubes na última semana.

Essa não seria a primeira vez no futebol que clubes se desligariam de sua federação. Um exemplo de sucesso disso foi o futebol inglês, que viveu um período decadente entre as décadas de 1970 e 1980, com instalações precárias, fase ruim em campo e violência nas arquibancadas. Buscando reverter a péssima fase e melhorar as condições no futebol do país, os clubes ingleses resolveram criar uma liga independente para buscar melhores condições e mais dinheiro.

No início da década de 90 foi estabelecida a Premier League. A nova liga foi criada independente da Football League (organizadora atual das divisões inferiores) e com licença para negociar seus contratos de transmissão de jogos com a TV e patrocínios, que quebram recordes a cada temporada.

A iniciativa deu muito certo, alavancando a retomada dos clubes ingleses, que se reestruturaram e voltaram a brigar pelos principais torneios da Europa. A Premier League atualmente é um dos principais campeonatos do mundo e os direitos pagos para a transmissão dos seus jogos já rendem bilhões de reais. Nelas são pagos os principais salários do mundo e as partidas são disputadas em melhores estádios.

Uma prova do sucesso da liga independente conduzida pelos clubes pode ser comprovada pelo relatório anual Football Money League deste ano, que aponta todos os times que disputam a competição entre os 40 mais ricos do planeta. Alguns como West Ham e Aston Villa estão à frente de equipes tradicionais como Roma e Benfica.

Um fator que pode ajudar nisso é o dinheiro da TV, que é dividido de maneira bem parecida entre os clubes da Premier League. O valor é pago da seguinte forma: primeiro todos os times recebem uma quantia (na temporada 2013/2014 foi de 65,5 milhões de euros), depois há uma divisão pelo desempenho no campeonato e por último por número de jogos transmitidos.

Assim, muitos times considerados pequenos e médios da competição tem poder aquisitivo para fazer propostas tão boas quanto outros grandes da Europa.

Além de financeiro, o retorno esportivo da criação da nova liga foi tremendo. O surgimento da dinastia do Manchester United, que ganhou 12 das 20 edições da Premier League, os invencíveis do Arsenal, que conquistaram a edição 2003/04 sem nenhuma derrota, os 'meninos' do Chelsea de Mourinho, que foram bicampeões ingleses em 2005 e 2006 e, por último, o time do Manchester City, comandado por Agüero e Kompany, são alguns dos exemplos de grandes times deste período. De negativo, fica a derrocada do Liverpool nacionalmente.