Fellipe Lucena e Thiago Ferri
18/08/2017
07:00
São Paulo (SP)

Há três semanas afastado por Cuca, Felipe Melo ainda tem futuro incerto. A longa novela no Palmeiras caminha para a rescisão contratual, mas as tratativas ainda são iniciais. O diretor de futebol Alexandre Mattos é quem representa o Palmeiras nas reuniões com os advogados do atleta, que está distante do caso, aguardando um desfecho.

O primeiro encontro ocorreu na segunda. O jurídico do Verdão ainda não participa das tratativas, mas segundo pessoas ligadas ao clube, o diretor está respaldado pelo departamento. Após essa reunião, as partes devem se encontrar novamente para definir como fazer a rescisão, já que Felipe tem quase R$ 7 milhões a receber em luvas, valor que seria diluído no decorrer do contrato, válido até dezembro de 2019. Não está definido se o Verdão terá de pagar o valor, ou se o camisa 30 abrirá mão de pelo menos parte da quantia.

Inicialmente, o Palmeiras mostrava interesse em negociar o meio-campista de 34 anos, mas não recebeu propostas. Felipe chegou a ser sondado por times da Espanha e Turquia e não se animou - a janela para o exterior fecha no fim de agosto. No Brasil, o Internacional foi o clube que teve contatos mais frequentes, só que mesmo assim não fez uma oferta. Por não ter atingido o limite de sete jogos, o jogador pode também atuar na Série A.

Treinando em horários alternativos na Academia de Futebol, Felipe Melo não tem contato com jogadores e comissão técnica. Ele foi liberado depois de um problema com Cuca, e ao ter sido vazado um áudio em que ele ofende o técnico, sua reintegração, antes costurada pela diretoria, tornou-se algo fora de cogitação.

Os advogados, então, notificaram o clube, alegando danos morais pelo jogador não ter as mesmas condições de trabalho que seus companheiros. Foi a partir disso que as partes começaram a tratar da rescisão.

No encontro de segunda entre Mattos e os advogados, o Palmeiras recebeu outra notificação, esta porque Gilto Avallone, membro do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) do clube, divulgou detalhes do contrato do jogador em seu blog. O cofista é um dos maiores críticos do diretor de futebol.

Como consequência à nova ação, conselheiros estão articulando o início de uma sindicância contra Gilto no Conselho Deliberativo (CD). Para isso, precisam colher assinaturas de 50 membros do CD. O processo pode gerar sua suspensão do clube e a expulsão do COF. Porém, a proximidade com Mustafá Contursi, outro crítico ferrenho de Mattos, deve livrar Gilto Avallone de uma punição, caso o caso avance.