Jonas Moura
12/06/2016
07:05
Rio de Janeiro (RJ)

A avaliação das jogadoras da Seleção Brasileira feminina de vôlei em relação à Arena Carioca 1, que recebe os primeiros jogos da equipe nesta edição do Grand Prix, tem sido positiva. Mas a oposto Sheilla não escondeu o descontentamento com o que encontrou do lado de fora do ginásio.

A menos de dois meses para os Jogos Olímpicos Rio-2016, o Parque Olímpico da Barra da Tijuca, considerado o coração do evento, passa por uma série de ajustes. Quem chega ao local percebe as obras desde o momento em que trafega pelas vias de acesso até entrar no complexo esportivo.

– Está uma bagunça. O vestiário é bonito, mas as ruas, com o  tanto de construção que tem ainda... Eu espero que fique pronto. O Brasil é assim. No final, vai ficar pronto – afirmou Sheilla, que procurou levar a situação na brincadeira após a vitória sobre o Japão, na última sexta-feira.

– Nas ruas, não está legal. Fico até pensando nos japoneses aqui, com Tóquio já pronto (para os Jogos de 2020). Os brasileiros conhecem o Brasil. Deve assustar mais os japoneses do que a gente – avaliou a atleta, aos risos.

Questionada se havia enfrentado congestionamentos no trajeto ao Parque Olímpico, como tem sido comum a torcedores e profissionais de imprensa que vão aos eventos na região, ela admitiu o problema. Durante o megaevento, os atletas terão faixas exclusivas para chegar aos palcos dos jogos sem atraso.

– Não tem como eu dizer que não peguei trânsito. Acho que todo mundo pegou – disse a oposto. 

Dentro do Parque, que tem 98% de suas obras finalizadas, de acordo com a prefeitura, o velódromo é a instalação mais atrasada, com 89% de conclusão. Ao caminhar em direção à Arena Carioca 1, que receberá o basquete na Rio-2016, o público nota o cenário. O Centro de Tênis atingiu 93%, e o Hotel, 98%.  

Já na parte externa, as obras da via expressa BRT Transolímpica, que ligará o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro, passando pela Barra da Tijuca, ainda causam transtorno aos motoristas nas proximidades. O Parque Olímpico é a região que concentrará maior número de modalidades nos Jogos: 16. 

O vôlei será disputado entre os dias 6 e 21 de agosto no Maracanãzinho, que passa por reformas na cobertura desde março. Por este motivo, o Comitê Rio-2016 solicitou à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e à Federação Internacional de Vôlei (FIVB) a mudança, tanto para o Grand Prix quanto para a Liga Mundial. A ideia é, também, testar a operação de grandes públicos.

Após vitórias sobre Itália (3 a 1) e Japão (3 a 0 ), a Seleção de José Roberto Guimarães volta à quadra neste domingo, às 10h05, para enfrentar a Sérvia.