Volei GrandPrix2016 - Brasil x Italia (foto:FIVB/Divulgação)

Natália tenta ataque sobre o bloqueio da Itália na estreia do time brasileiro (foto:FIVB/Divulgação)

Jonas Moura
09/06/2016
17:10
Rio de Janeiro (RJ)

A atitude da Seleção Brasileira feminina de vôlei foi reprovada pelo técnico José Roberto Guimarães na vitória sobre a Itália por 3 a 1 nesta quinta-feira, na estreia no Grand Prix, no Rio de Janeiro. O tricampeão olímpico acredita que o time se desconcentrou com a vantagem adquirida e disse que terá uma conversa séria com as jogadoras.

- Não gostei da atitude da minha equipe. Temos de conversar, porque o time não pode entrar em quadra da forma como começou o quarto set. É o tal do foco, da concentração o tempo inteiro. Quando relaxamos, colocamos o adversário no jogo - Zé Roberto.

- Poderiam dizer que é falta de ritmo de jogo, time nervoso, tenso. Tudo isso aconteceu, porém, não posso admitir a atitude demostrada - completou.

Depois de um primeiro set complicado, em que a Itália deu trabalho com a jovem oposto Egonu, de apenas 17 anos, o Brasil acordou. Empatou a partida no segundo set e parecia encaminhar a vitória. Na última parcial, um susto. Sem a eficiência de sua principal atacante, a Itália fez uma mexida e teve na hoje reserva Diouf uma arma poderosa para quase levar a disputa ao tie-break.

- Equipes que têm essas opções têm uma condição mais adequada de virar o jogo. A Itália é um time jovem, mas que está rodando, jogando campeonatos. Elas arriscaram, jogaram com alegria. Tem de jogar feliz, alegre. Ficamos presos. Temos de trabalhar e saber jogar com isso, porque será difícil assim na Olimpíada. Estou já preparado quanto a isso há algum tempo - falou o técnico. 

A maior pontuadora do Brasil foi a ponteira Natália, com 16 pontos, seguida pela oposto Sheilla, que marcou 15, assim como a italiana Egonu.

Para o duelo contra o Japão nesta sexta-feira, às 14h10, o comandante reforçou que mudará a equipe, como parte da estratégia já traçada anteriormente de testar as jogadoras. A central Fabiana dará lugar a Thaisa. Juciely, que briga por uma das vagas da posição na Olimpíada, seguirá no time.

Ele manterá a formação com as ponteiras Natália e Fernanda Garay, mas colocará a jovem Gabi aos poucos. A levantadora Roberta, a oposto Tandara e a líbero Leia também podem ser mais utilizadas.

- O Japão não tem tanta exuberância de ataque nas bolas altas. Joga na defesa e na velocidade. Essas escolas também são importantes para termos uma ideia do que acontecerá nos Jogos Olímpicos.

Zé também confirmou que a bicampeã olímpica Jaqueline, que foi uma das escolhidas para ficar fora da etapa brasileira, como antecipou o LANCE!, fará sua estreia em Macau (CHN), na semana que vem.