Zé Roberto - Coletiva

Zé Roberto concedeu coletiva de convocação da Seleção Brasileira para 2016  (Foto: Divulgação/CBV)

Jonas Moura
04/04/2016
16:55
Rio de Janeiro (RJ)

Autor do ace que deu ao Brasil a primeira medalha de ouro olímpica no vôlei masculino, nos Jogos de Barcelona-1992, Marcelo Negrão, de 43 anos, está perto de fazer parte da comissão técnica da Seleção feminina para ajudar o time na busca pelo tricampeonato, em agosto. Falta apenas o aval da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). 

Comandante do time masculino na época, José Roberto Guimarães revelou nesta segunda-feira ter sido sondado por Negrão sobre a possibilidade de auxiliar na preparação das opostos. Ele aproveitou a coletiva de convocação para "cobrar" da entidade a contratação do ex-atleta, que tinha 19 anos em 92.

A ideia do treinador é agregar todo tipo de ajuda possível de medalhistas olímpicos nos trabalhos do grupo que disputará a Olimpíada do Rio de Janeiro. No ano passado, Zé já havia feito um convite para a ex-levantadora Fofão, conforme revelou o Blog Saque, do LANCE!.

– Aproveito para reivindicar da CBV, pelo significado do Marcelo Negrão no cenário mundial. Uma vez ele me falou: "tem treinador de bloqueio, de ataque, mas não de oposto. Se você quiser, eu posso ajudar". Eu falei que toda ajuda é bem vinda e que ele já está convocado. Ele se prontificou a ajudar no que for possível e será muito bem vindo – disse Zé Roberto.

Questionado sobre Fofão, o técnico disse que também tem a palavra dela de que ajudará no trabalho com as levantadoras, mas de forma diferente do previsto inicialmente. Por causa da agenda cheia, a ex-jogadora só deve comparecer a alguns treinamentos da Seleção em Saquarema (RJ).

– Recentemente, me encontrei com a Fofão, que está empenhada no projeto de um livro que se tornará filme. Eu até gravei com ela em São Caetano do Sul (SP), onde praticamente iniciamos nossa trajetória juntos, e refiz o convite. Ela se prontificou, não de forma tão efetiva, mas a dar uma passada e nos ajudar.

Zé Roberto ainda deixou no ar a possibilidade de contar com outros veteranos. A líbero Fabi, ouro em Pequim-2008 e Londres-2012, já avisou que não vestirá mais o uniforme da Seleção, mas mantém contato com o comandante.