Leia Volei (foto:FIVB)

A líbero Leia foi uma das principais destaques da Seleção no Grand Prix, vencido pelo time (Foto:FIVB)

Felipe Domingues
12/07/2016
08:15
São Paulo (SP)

Estar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro é o objetivo máximo de diversos esportistas. A 24 dias do início da disputa, então, o sonho se torna cada vez mais palpável. Mas, para o treinador da Seleção feminina de vôlei, José Roberto Guimarães, o período é angustiante, especialmente por conta dos cortes necessários na equipe.

Um dia após conquistar o título do Grand Prix, em Bangcoc (THA), o time desembarcou no Aeroporto de Guarulhos (SP), na segunda-feira, e a pergunta mais ouvida foi: “Quando a lista para o Rio será definida?”.

– Não vou falar nada sobre cortes, porque é algo difícil. Quero falar sobre a vitória, que é algo importante. Ainda temos muito trabalho pela frente. Temos muita coisa para fazer – resumiu Zé Roberto.

O Grand Prix, porém, serviu como parâmetro para definir os nomes na lista de 12 atletas (17 integram o grupo) que irão ao Rio. A posição de líbero ainda é motivo de dúvida na cabeça do treinador.

Zé Roberto revezou duas jogadoras na posição, Camila Brait, de 27 anos, e Leia, de 31. Pelo cronograma de jogos definido pelo treinador, a “veterana” atuou na decisão e não decepcionou, sendo uma das melhores da equipe contra as americanas.

– A Leia foi bem, teve um desempenho bom no passe e defesa. Essa é a disputa que mais me tira o sono ultimamente. Não desconsidero (duas líberos no Rio) – disse o técnico.

Garay e Brait deram segurança ao passe brasileiro (
Brait (amarelo) também está na briga (Foto: Divulgação/FIVB)

Leia, inclusive, se esquivou de perguntas sobre o tema no desembarque. Ela, inclusive, disse não estar ciente de ter sido um “empecilho” no sono de seu treinador.

– É? Não sei não (risos). Foi um bom torneio, mas agora deixamos com ele para decidir. Sou grata por ele ter me dado essa oportunidade.

– Ninguém quer ser cortada. Mas vamos treinar, ralar, jogar e, o que ocorrer, faz parte. Todas se gostam, não há rivais – completou a líbero.

Outra posição que segue disputada é a de levantadora. Enquanto a vaga de Dani Lins está quase garantida, Roberta, que jogou o Grand Prix, e Fabíola, que voltou aos treinos no último mês após dar a luz à segunda filha, brigam pelo posto reserva, com favoritismo à segunda, que treina em Saquarema (RJ).

Com algumas definições ainda pendentes, uma coisa é certa: José Roberto Guimarães terá poucas noites de sono até a Olimpíada do Rio.

'A Fabíola está em uma situção pós-parto, e estamos torcendo por ela, porque é uma luta contra o próprio corpo. Com certeza o toque dela não deixou de ser o mesmo. O corte é inevitável e, se eu estiver ou não entre as 12, será um absurdo crescimento para mim' - Roberta, levantadora

A SELEÇÃO BRASILEIRA ATUAL:
O técnico José Roberto Guimarães possui 17 atletas em seu elenco atual, e fará cinco cortes até a Rio-2016. Seguindo as últimas convocações olímpicas, o técnico deve levar para a Olimpíada duas levantadoras, quatro centrais, uma oposta, quatro ponteiras e uma líbero.

- Levantadoras:
Dani Lins;
Fabíola;
Naiane;
Roberta.

- Centrais:
Adenízia;
Fabiana;
​Juciely;
Thaísa.

Ponteiras:
Fernanda Garay;
Gabi;
Jaqueline;
Mari Paraíba;
Natália.

Opostas:
Sheilla;
Tandara.

- Líberos:
Camila Brait;
Leia.