Jonas Moura
28/12/2017
08:05
Rio de Janeiro (RJ)

O vôlei de praia brasileiro vive uma fase de novas apostas para o ciclo olímpico de Tóquio-2020. Entre elas, a capixaba Elize Maia, de 33 anos, quer aproveitar a virada de ano para dar um passo significativo rumo ao seu objetivo.

Ela e a parceira Taiana embarcam no dia 1 de janeiro para Haia (HOL), onde disputarão, entre 3 e 7, a etapa de abertura do Circuito Mundial. A dupla entrou diretamente na fase de grupos com base no ranking da competição, assim como Ágatha/Duda e Bárbara Seixas/Fernanda Berti. As festas de fim de ano ficaram de lado.

– Vou virar o ano fazendo mala. Iremos viajar estourando a champanhe – brincou Ellize, ao LANCE!.

Descoberta para a modalidade a partir de um projeto de talentos da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), a atleta vem buscando se firmar. Nos últimos anos, atuou ao lado de Fernanda Berti, Duda e Rebecca, antes de resgatar a união antiga com Taiana, umas das primeiras jogadoras com quem ela dividiu a quadra.

Ao mesmo tempo, Maia é agenciada pela Ford Models, que tem uma pasta voltada à atletas modelos. Ela já exercia a profissão antes de se dedicar ao esporte e não a abandonou. Até levou Taiana para conhecè-la.

– Eu a chamei este ano para um ensaio, mas para mim é algo natural. Inicei com 15 anos, fiquei cinco anos praticamente viajando a trabalho pelo mundo e conhecendo países. Hoje, sou modelo, mas o foco principal é ser atleta – disse a capixaba.

O Japão é um destino marcante para Elize. E poderá ser novamente em 2020. Foi lá que ela realizou os primeiros trabalhos de frente para as câmeras. Ainda passou períodos na China e nos Estados Unidos.

– Conheci mais países como atleta, mas foi como modelo que convivi melhor com as pessoas. As temporadas são maiores – lembra.

Ausência de Larissa e Talita abriu caminho

Elize Maia e Taiana contaram com uma “ajuda” para entrar diretamente na fase de grupos da etapa de Haia do Circuito Mundial. Líderes do ranking da competição deste ano, Larissa e Talita optaram por ficar fora. 

Como o país tem direito de inscrever as três melhores colocadas da lista, a capixaba e a cearense, que eram a quarta dupla na fila, evitaram passar pelas etapas qualificatórias. O Brasil ainda pode classificar outra parceria no country quota. Estão na briga Maria Elisa/Carol e Lili/Josi.

A equipe verde e amarela mais bem colocada no Circuito de 2017 é Ágatha/Duda, na terceira posição. Em seguida, vem Bárbara Seixas/Fernanda Berti, em sexto. Elize e Taiana estão em 16 e esperam entrar no grupo das melhores do mundo.

–Nosso objetivo é sempre estar entre as melhores. É uma alegria ir para o Circuito Mundial. Sabemos da responsabilidade que o Brasil tem no vôlei de praia, mas nao atrapalha em nada. Não é que levemos com uma pressão, mas isso nos fortalece. Quando as adversárias olham para a camisa do Brasil, elas sentem certo peso – falou Elize.

BATE-BOLA
Elize Maia Atleta do vôlei de praia, ao L!

‘Nós temos a ideia de um projeto olímpico, mas é passo a passo’

Você e Taiana retomaram a parceria no início deste ano. Que avaliação faz da temporada?

Fizemos pódios importantes. Conseguimos três bronzes no Brasil e foi proveitoso jogarmos a Copa do Mundo, de altíssimo nível. Nos deu bagagem como time. Temos a ideia de um projeto olímpico, mas sabemos que é treino por treino, competição por competição. Neste ano, nós nos conhecemos melhor.

Como tem sido jogar com ela? Os seus estilos se encaixaram?
Ela é uma defensora nata. Eu havia jogado com a Fernanda Berti, que é atacante, e foi enriquecedor. Depois, voltei à função em que tenho mais sucesso. É uma combinação perfeita.

Como é seu calendário de modelo? Tem conseguido conciliar?
Depende muito das competições que disputamos, pois, às vezes, passamos até dois meses fora do Brasil. Fiz um catálogo de biquíni no meio do ano. No ano passado, fiz um comercial da P&G, sobre a presença das mães na vida dos atletas até chegarem ao alto nível.

QUEM É ELA

Nome
Elize Secomandi Maia
Nascimento
20/10/1984, em Vitória (ES)
Altura e peso
1,84m e 70kg
Conquistas
Campeã das etapas de Maceió (AL) e Fortaleza (CE) do Circuito Mundial de 2016 e da etapa de Goiânia do Circuito Brasileiro 2015/2016, com Duda; terceira colocada da etapa de Campo Grande (MS) do Circuito Brasileiro 2017/2018, com Taiana,. No Campeonato Mundial deste ano, em Viena (AUT), ficou em nono lugar ao lado da atual parceira.