William Sada Cruzeiro

Willian está perto de grande marca (Foto: Divulgação/Sada Cruzeiro)

RADAR/LANCE!
15/03/2016
17:00
Belo Horizonte (MG)

O levantador William, do Sada Cruzeiro, que vai disputar as quartas de final da Superliga masculina de vôlei, está se aproximando de uma nova marca na carreira. Com 146 pontos de bloqueio na história da Superliga, ele está a nove pontos de superar Ricardinho, do Copel Telecom Maringá Vôlei (já eliminado), que soma 154 acertos neste fundamento e é o levantador que mais conseguiu parar o ataque adversário.

- Fico surpreso com esses números porque o bloqueio, com certeza, não é o meu melhor fundamento. Mas se estou próximo de bater o Ricardo, é mais um desafio para mim – afirmou William.

O levantador do Sada Cruzeiro poderá começar a diminuir a vantagem de Ricardinho a partir desta quarta-feira, quando o time mineiro entrará em quadra para disputar o primeiro jogo das quartas da Superliga, contra o São José dos Campos (SP), em Contagem.

No turno e returno da Superliga, o Sada Cruzeiro superou o São José dos Campos por 3 a 1 e 3 a 0, respectivamente. Apesar disso, William não espera uma partida fácil.

- O time de São José é bem experiente, tem jogadores acostumados às decisões, por isso acho muito importante focarmos na partida e estarmos 100% concentrados. Essa é a fase mais complicada. As quartas de final têm sido para nós de jogos bem complicados e acredito que não vai ser diferente. Não dá para vacilar e nem esperar para ver o que vai acontecer. É a hora de colocarmos nosso ritmo para não darmos chances ao adversário.
 
O Sada Cruzeiro é apontado como favorito ao título da Superliga 2015/2016. William, por sua vez, eleito o melhor levantador da competição nas últimas temporadas consecutivas, poderá aumentar ainda mais a sua coleção de troféus. Experiente, o capitão do time mineiro, que busca o tetracampeonato brasileiro, sabe que para se manter no topo é preciso estar sempre se superando.

- Procuro estar me reinventado sempre, mas muito mais coletivamente. Procuro fazer coisas diferentes com todos os atacantes para que possamos ter outras saídas em momentos de dificuldade. Pra mim é bem legal isso. É um desafio a mais e acredito que vem dando certo. A cada ano fica mais difícil para nós. Mas não é só porque todos querem ganhar do nosso time. É também por ser a equipe mais estudada, já que são seis anos praticamente com o mesmo grupo.