Jefferson Arosti

Jefferson Arosti será o técnico do Vôlei Nestlé no jogo contra o Brasília (Foto: João Pires/Fotojump)

Jonas Moura
14/03/2016
08:10
Rio de Janeiro (RJ)

Dentro da “família” que o Vôlei Nestlé construiu em anos de participação na Superliga Feminina de vôlei, Jefferson Arosti é um dos “avós”. Não pela idade, afinal ele tem apenas 42 anos. Mas por ter se tornado o braço direito do técnico Luizomar de Moura e um dos símbolos do projeto da equipe.

Após o treinador sofrer um princípio de arritmia cardíaca na última sexta-feira, o assistente saiu do "anonimato" e terá a missão de guiar as atletas nesta segunda-feira contra o Terracap/Brasília Vôlei, às 21h, em Taguatinga (DF). Com 1 a 0 nas quartas de final, o time só precisa de mais uma vitória para ir à semi. Se perder, haverá outro jogo.

A história da dupla, que se conhece desde os tempos de atletas, começou em 2000. Na ocasião, Luizomar foi chamado pelo Flamengo para comandar um elenco na Superliga pela primeira vez na carreira. Auxiliar de William Carvalho na Uniban/São Bernardo, onde foi campeão em 1998/1999, Jefferson recebeu proposta para ser assistente, e eles levaram o clube ao título.

Com o fim da equipe por falta de recursos, os profissionais seguiram para Campos (RJ), onde trabalharam entre 2001 e 2005, e Macaé (RJ), entre 2005 e 2006. Nesse último ano, Luizomar foi convidado para comandar o favorito time de Osasco (SP), então chamado Finasa/Osasco. E lá estava Jefferson ao lado dele à beira da quadra.

– Nós estamos sempre juntos. A filosofia é a mesma e as palavras usadas com as jogadoras são as mesmas. Só o que muda é a imagem – declarou Jefferson, ao LANCE!.

Nascido em Santo André (SP), o assistente começou no vôlei aos 11 anos. Na carreira, defendeu a extinta Pirelli (SP) e o São Caetano. Jogava como ponteiro, enquanto Luizomar, hoje aos 49 anos, era central. Os dois perceberam que poderiam obter mais sucesso do lado de fora.

Acostumado a treinar o Vôlei Nestlé quando o treinador dirigia as Seleções Brasileiras de base, o paulista tem a confiança das jogadoras e do “titular”, que ainda não tem data para reassumir a função. O clima entre eles é só de amizade.

– Nós brincamos que vamos levá-lo para a esteira para perder peso (risos), mas a saúde dele é boa. Ficamos surpresos e torcemos para que ele volte logo – disse Arosti.

BATE-BOLA
Jefferson Arosti Assistente do Vôlei Nestlé ao LANCE!

‘Não me sinto pressionado’

LANCE!: Como encarou a responsabilidade de assumir o posto de técnico?
Jefferson Arosti: Luizomar e eu trabalhamos juntos há bastante tempo. Nos períodos em que ele comanda as Seleções de base, eu fico com a equipe. Já dirigi o time em Campeonato Paulista, Sul-Americano de Clubes, entre outros. Só que, desta fez, foi uma situação desagradável. Não estávamos esperando por isso. Felizmente, tive lucidez para manter o grupo focado e me manter focado.
-
L!: Como foi recebido pela torcida?

J.F.: Estou agindo com naturalidade. Não fiz contato com o público após o jogo, porque queria saber como o Luizomar estava. Só o que tive foi o carinho dos filhos e da minha família. Mas fico tranquilo, pois estou no time há muito tempo. Já sou uma cara conhecida, então eu não me sinto pressionado.

L!: O que espera do jogo desta segunda-feira?
J.F.: Jogamos com a torcida apaixonada e vencemos. Em Brasília, todas as equipes tiveram dificuldades. Só ganhamos delas de 3 a 2 (no primeiro turno). O adversário virá agressivo, e nós não poderemos assistir passivos.

QUEM É ELE

Nome
Jefferson Arosti
Nascimento
17/11/1973, em Santo André (SP)
Altura e peso
1,95 e 98kg
Clubes na carreira
Pirelli, São Caetano, Flamengo, Campos, Macaé e Osasco.