RADAR/LANCE!
16/03/2016
15:19
Salvador (BA)

Diante da ideia de ser referência na categoria de base brasileira, o Vitória deu mais um passo importante para cumprir seus objetivos. Visando não só a evolução técnica do jogador, o clube baiano busca formar cidadãos com repertório cultural. Esse foi o tema central que norteou o encontro entre pais de jogadores da base residentes em Salvador e dirigentes do Esporte Clube Vitória, nesta terça-feira, no Complexo Barradão.

A programação abordou ainda assuntos como os protocolos adotados pelo Vitória em jogos e treinos, horários de acesso ao clube, Lei Pelé, atividades escolares e extraescolares e outros assuntos pertinentes ao dia a dia dos atletas e suas atividades.

No evento, que contou com a participação do presidente, Raimundo Viana, e do vice-presidente, Manoel Matos, foi anunciado ainda que, em parceria com o Serviço Social da Indústria (SESI), o Vitória vai oferecer para os atletas da base cursos de idiomas, de educação financeira, de ética, de nutrição, de higiene pessoal e sobre outras temáticas que agreguem valor à formação dos jogadores.

- O Vitória, além de formar atletas, está muito preocupado em formar cidadãos. E é muito importante que vocês, pais, sejam nossos parceiros nesse processo educativo - afirmou Manoel Matos.

Diretor executivo da Divisão de Base, Alfredo Montesso comentou que o Vitória está desenvolvendo um projeto para a oferta de cursos a distância dentro do Complexo Barradão, com o objetivo de acelerar a formação educacional de seus atletas. 

O tema também foi abordado por Raimundo Viana.

- Passei 46 anos de minha vida como professor da Faculdade de Direito e, entre meus alunos, havia jogadores. A educação é o caminho - disse o presidente.

Ainda saboreando o triunfo no último Ba-Vi, o presidente citou a participação da base no clássico do último domingo. Do time que terminou o jogo, sete jogadores foram formados na fábrica de talentos: José Welison, Vinícius, Ramon, Flávio, Arthur Maia, Leandro Domingues e o goleiro Caíque, um dos personagens da partida, como lembrou Raimundo Viana.

- Vocês não imaginam a emoção que eu senti com a atuação de Caíque, um menino de 18 anos que teve a responsabilidade de defender o gol do Vitória num jogo dessa importância. E sabe por que ele não amarelou? Porque ele foi preparado por profissionais competentes e dedicados, que têm orgulho de fazer parte do Vitória. Mas, nem todos os nossos meninos da base vão vingar. Daí a importância da educação -  frisou o presidente.