HOME - Tigres x Vasco - Campeonato Carioca - Thalles e Yago Pikachu (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

Thalles é abraçado por Yago Pikachu (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

Matheus Babo
21/02/2016
07:30
Rio de Janeiro (RJ)

Dizem que quando a fase é boa, até Saci faz gol de letra. E o momento do Vasco é muito bom. Com 100% de aproveitamento na temporada (cinco vitórias em cinco jogos), o time vem passando por cima dos adversários, mas nem sempre os jogos tem sido tão fáceis. Neste sábado, quem decidiu pela segunda vez no ano em uma partida complicada foi o atacante Thalles, que marcou o primeiro gol na vitória por 2 a 0 sobre o Tigres, no Los Larios.

Thalles vem sendo elogiado por Jorginho desde o início da pré-temporada do time, em Pinheiral, destacando a dedicação do centroavante após um 2015 de muitos puxões de orelha e até uma cobrança pública em uma entrevista coletiva após um empate com o Grêmio.

- Para mim, é ótimo saber que, em algum momento, se precisar, tenho o Thalles para fazer uma função diferente, de pivô. Tínhamos oportunidades de faltas e seriam muitas. Faltava isso para o Riascos, segurar a bola e deixar que batessem. O Thalles entrou muito bem. O gol foi muito bom, mas a volta em velocidade em um contra-ataque que tomamos é algo que fortalece o atleta. Ele está em um ótimo caminho. Só quem ganha é o Vasco. É bom para o Thalles, bom para o Vasco. Todos ganham - disse o treinador.

O jovem teve paciência e soube esperar a hora de receber a oportunidade. O colombiano Riascos foi escolhido por Jorginho e iniciou a temporada de forma avassaladora. Fez três gols nos dois primeiros jogos e recuperou a confiança da torcida. Mas quando ele foi mal, Thalles esteve lá para decidir. Contra o Volta Redonda, sofreu o pênalti e marcou o gol que definiu o jogo. Diante do Tigres, quando ninguém conseguia superar Renan, Thalles esteve lá para balançar as redes.

A torcida espera que BaloThalles continue sendo o cara que está decidindo os jogos do time nos moemntos de dificuldade. E que ele leve o apelido a sério só dentro de campo. Porque fora dele, Balotelli não é o melhor dos exemplos.