Vasco x Fluminense (foto:Cleber Mendes/LANCE!Press)

Rival de domingo, campanha do Flu em 2009 pode servir como espelho

João Matheus Ferreira
05/11/2015
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

A derrota para o Fluminense fez que com que a permanência na Série A voltasse a ser um milagre para o Vasco. A cinco jogos do término do Campeonato Brasileiro, a equipe precisa de uma façanha que apenas o Grêmio, em 2003, e o próprio Fluminense, em 2009, conseguiram: tirar uma vantagem de pelo menos cinco pontos do primeiro fora a cinco rodadas do fim do Brasileiro.

A matemática aponta que o Cruz-Maltino, hoje com 30 pontos, precisa de quatro vitórias e um empate para se livrar da queda. Afinal, com 43 pontos a chance de não cair é bem grande. Foi essa campanha que os tricolores gaúcho e carioca fizeram em 2003 e 2009, respectivamente. As únicas duas vezes desde o início dos pontos corridos, há 12 anos. É por isso que o auxiliar técnico do Vasco, Zinho, leva em conta esses “feitos”:

– Temos, sim, que respeitar e fazer essas contas. Ver essas informações e trabalhar em cima disso com os atletas. É bom trabalhar para vencer todos os jogos, mas sabemos que não é tão fácil. Vamos mostrar os números dos últimos campeonatos e ver que teve gente que conseguiu sair mesmo com os matemáticos dizendo o contrário. É desta forma que conversamos com os jogadores.

Em São Januário, embora ninguém admita publicamente, há um grande abatimento depois da derrota para o Fluminense. Afinal, se antes a equipe não perdia há nove jogos, agora não vence há cinco. O jogo contra o Palmeiras, domingo, em São Paulo, é visto como uma vitória fundamental para o futuro do Cruz-Maltino. E o discurso é de acreditar.

– A pontuação não diz que o Vasco caiu. Diz que o Vasco tem chance, desde que realize dentro de campo. Mas é bem possível, o futebol é incrível. Vence um jogo e muda completamente o astral. Se ganha um jogo como esse, contra o Palmeiras, fica tudo de novo real e bem possível. E ainda nos traz confiança a torcida. Em nenhum momento percebemos que eles (jogadores) não estão acreditando. Não é inventar uma história – comentou o auxiliar Zinho.

O certo é que está mais do que na hora de todos se unirem – diretoria, comissão técnica e jogadores – pois um terceiro rebaixamento em oito anos mancha a história do clube.