Hugo Mirandela
19/04/2017
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Completando 90 anos no próximo dia 21 de abril, São Januário já foi palco de muitos acontecimentos históricos. Um deles foi no dia 20 de maio de 2007, protagonizado por um dos maiores atacantes do futebol mundial. Com a camisa cruz-maltina, Romário marcou seu milésimo gol na vitória por 3 a 1 contra o Sport, pelo Brasileirão daquele ano. Este capítulo da série especial do aniversário da Colina Histórica conta a saga final do Baixinho para chegar feito, que quase saiu contra o arquirrival Flamengo e no Maracanã, estádio que era a preferência do jogador.

Dando prosseguimento ao seu projeto para o milésimo gol, Romário retorna ao Cruz-Maltino em 2007, faltando 13 para alcançar a marca. A reestreia do Baixinho foi ofuscada por uma derrota contra o América-RJ por 2 a 1, pelo Carioca, com ele passando em branco. Porém, no jogo seguinte o atacante mostrou seu faro de gol. Ele entrou no decorrer do segundo tempo e balançou a rede três vezes em goleada de 6 a 1 sobre o Volta Redonda.

Após passar em branco contra o Fluminense e Flamengo, ainda pela Taça Guanabara, Romário voltou a marcar contra o Fast, pela Copa do Brasil. O camisa 11 vascaíno deixou dois na goleada de 6 a 0 do Vasco.

O goleiro Bruno evitou o milésimo gol de Romário contra o Fla com grande defesa feita com o pé

O Baixinho deixou a contagem regressiva ainda mais perto do fim nos dois primeiros jogos da Taça Rio daquele ano. Na estreia, ele anotou três vezes no triunfo do Cruz-Maltino contra o Madureira por 4 a 1. No duelo seguinte, o atacante também fez três contra o Boavista, em vitória por 6 a 1.

Assim, o Baixinho chegou para o clássico contra o Flamengo com 998 gols e quase alcançou a sua sonhada marca na vitória por 3 a 0 do Cruz-Maltino. Aos 33 do segundo tempo, Romário marcou o terceiro do Vasco, para a alegria dos torcedores no Maracanã, que sonharam em ver o milésimo contra o arquirrival. E ele quase veio os 42 da etapa final. Após tabelar com Conca, o atacante recebeu dentro da área e bateu firme para o gol. Porém, o goleiro Bruno fez grande defesa com a ponta do pé direito, jogando para escanteio. Faltava um para o milésimo!

Pensando em marcar o gol mil contra o Botafogo no Maraca, Romário não atuou no jogo seguinte ao do Rubro-Negro, no empate em 0 a 0 contra o Americano. No entanto, o Baixinho também não teve sucesso contra o Alvinegro. Passou em branco na derrota do time por 2 a 0.

Atendendo ao desejo de Romário de marcar o gol 1.000 no Maraca, o Vasco transferiu o jogo de volta contra o Gama, pela Copa do Brasil, para o estádio. Porém, a ideia não foi boa. O time acabou eliminado e o Baixinho mais uma vez ele passou em branco.

Romário teve mais uma chance contra o Botafogo, dessa vez pela semifinal da Taça Rio. Porém, o atacante não conseguiu deixar sua marca em um jogo eletrizante que terminou 4 a 4. Por muito pouco o milésimo não saiu na jogada do terceiro do Vasco. O zagueiro Jorge Luiz arrancou pela direita e cruzou para Romário, que mergulhou de cabeça e quase encostou na bola, mas ela morreu antes no fundo da rede. Nos pênaltis, o Cruz-Maltino acabou eliminado.

Assim, a marca ficou para o Campeonato Brasileiro. Com o gol teimando em não sair no Maracanã, como obra do destino, o palco para o feito do Baixinho ficou para São Januário, casa vascaína que foi cenário de diversas glórias e fatos históricos.

Baixinho ficou eternizado em São Januário em estátua atrás da baliza em que ele alcançou a marca

No dia 20 de maio de 2007, aos 2 minutos do segundo tempo, Romário entrou para história ao fazer o seu milésimo gol na carreira. A forma foi do jeito que ele queria, de pênalti, para que todos pudessem ficar de olho no lance que ficaria marcado para sempre. Após o cruzamento de Thiago Maciel, o zagueiro Durval cortou a bola com a mão e o árbitro Giuliano Bozzano assinalou a penalidade máxima. Coube ao goleiro Magrão levar o gol mil. O atacante cobrou com categoria, no canto direito, sem chances.

A comemoração foi uma verdadeira festa que paralisou a partida por 16 minutos. Lembrou a dele Pelé quando marcou o seu milésimo no Maracanã. Romário foi buscar a bola na rede e a beijou, sendo abraçado pelos companheiros. Depois, ele foi cercado por jornalistas e câmeras, e muito emocionado deu entrevistas. Ele beijou a mãe, abraçou os filhos e familiares, deu volta olímpica... Tudo digno do seu grande feito.

Eternizado com estátua na Colina

Por conta da marca, Romário recebeu uma grande homenagem do Vasco. O Baixinho foi eternizando em São Januário com uma estátua inaugurada no dia 18 de agosto de 2007. Ela está situada atrás da baliza em que o atacante marcou o seu milésimo gol contra o Sport.

O atacante se emocionou muito na cerimônia de inauguração do seu monumento. O evento contou com crianças da categoria de base do Vasco e o presidente Eurico Miranda, que enalteceu a história do Baixinho. Abraçado à mãe e aos seus filhos, Romário chorou ao agradecer a homenagem.

- A emoção tomou conta. É uma honra, um orgulho muito grande ficar eternamente num lugar que eu sempre gostei: o campo de futebol – disse Romário na cerimônia.

Na ocasião, Eurico Miranda também anunciou que a camisa 11 do Baixinho estava aposentada. Porém, ela voltou a ser usada na gestão de Roberto Dinamite e continua até hoje.