LANCE!
18/07/2016
16:08
Rio de Janeiro (RJ)

Superstições ou apenas coincidências? Diversos nomes que deixaram o Vasco recentemente foram contagiados com a "Maldição da Colina", como costumam dizer alguns torcedores vascaínos. Edmundo, Leandro Amaral, Dedé e agora Riascos são apenas alguns que fazem parte desta extensa lista.

No último domingo, Riascos, destaque do Vasco no Carioca-2016 e hoje no Cruzeiro, desabafou com a frase "porque não pode tirar minha felicidade para jogar essa m.. aqui" após derrota diante do Fluminense. O atacante está na berlinda na Raposa e está com sua situação indefinida no clube mineiro.

O LANCE! relembra abaixo outros casos da "Maldição da Colina". Confira a relação:

Edmundo:
Entrou na Justiça Desportiva em 2001, brigando pelo direito do seu passe. Conseguiu se desvincular do clube e se transferiu para o Cruzeiro. Um tempo depois, porém, foi mandado embora devido uma declaração no jogo contra o ex-clube, Vasco, em que o Cruzeiro perdeu de 3 a 0. Na partida, o jogador desperdiçaria um pênalti e imediatamente foi dispensado ao fim da partida dela. Edmundo dera a seguinte declaração:

"Tomara que não faça gol. Se acontecer, vai ser por puro profissionalismo. Mas não haverá comemoração, porque não posso comemorar derrotas minhas, como torcedor vascaíno."

Riascos

O atacante colombiano foi o artilheiro do Vasco no Campeonato Carioca, mas estava emprestado pelo Cruzeiro que pediu R$ 8 milhões pelo atacante. Sem poder pagar pelo atleta, o Cruz-Maltino teve que devolvê-lo mesmo com o desejo do jogador em permanecer no Rio. Agora, vive situação delicada na Raposa.

Nilton
Alegando falta de pagamento de FGTS, o jogador, em 18 de dezembro de 2012, rescindiu seu contrato com o Vasco da Gama.Foi contratado pelo Cruzeiro em 22 de dezembro do mesmo ano. Em 9 de janeiro de 2015 foi contratado pelo Internacional por três temporadas. Em 9 de novembro, Nílton foi suspenso por trinta dias preventivamente por detecção em seus exames antidopagem dehidroclorotiazida e clorotiazida, substâncias diuréticas proibidas no esporte. Ambos julgados em 4 de dezembro, foram suspensos por cinco meses.

Dedé
A ida para o Cruzeiro rendeu a Dedé lesões e queda de rendimento. No clube celeste, o defensor conquistou 2 Campeonatos Brasileiros, mas conviveu com muitas lesões e viu sua carreira ser interrompida drasticamente. Depois de ficar afastado dos gramados por 14 meses, em consequência da pior lesão de sua carreira, o zagueiro sofreu uma fratura na patela do joelho direito, o mesmo que foi operado duas vezes em 2015.

Marlone

Hoje no Corinthians, o jogador deixou o Vasco e foi para o Cruzeiro. Chegou ao clube celeste cercado de expectativas, mas não correspondeu atuando em 30 jogos pelo Cruzeiro marcou apenas um gol. O jogador foi para o Fluminense onde onde se reencontrou com o técnico Cristóvão Borges, que havia sido seu treinador no Vasco da Gama, mas teve poucas oportunidades e deixou o Tricolor, chegou ao Sport, teve destaque no rubro-negro e chegou ao Corinthians onde não teve grandes oportunidades e deve ser negociado.

Rafael Silva
O atacante começou bem em Belo Horizonte, sendo titular em boa parte do Mineiro, mas sentiu dores na região lombar no início da Copa do Brasil e ficou um tempo parado. Junto aos problemas físicos, a chegada do treinador português Paulo Bento, o jogador perdeu espaço chegou a marcar o gol da vitória do Cruzeiro no clássico contra o Atlético-MG em pleno Independência, e na comemoração Rafael Silva imitou uma galinha.

Leandro Amaral
A briga de Leandro Amaral com o Vasco começou em novembro de 2007. O clube, ao saber do interesse do Fluminense, avisou ao jogador que usaria uma cláusula do contrato que permitia a renovação automática por mais um ano. Leandro Amaral, porém, não aceitou, entrou na Justiça e com uma liminar assinou contrato com o Fluminense. Mas o contrato foi cassado e o atacante retornou ao Cruzmaltino. Após o rebaixamento inédito do Vasco em 2008, Leandro voltou ao Tricolor carioca, Mas uma séria lesão no joelho, que culminou numa rara inflamação o deixou fora dos gramados em 2009. Em 2010 foi dispensado pelo Fluminense e ainda tentou a volta aos gramados no Flamengo, mas sem sucesso rescindiu seu contrato, dois anos depois se aposentou.

Rafael Vaz
O zagueiro foi um dos destaques do Vasco na campanha do bicampeonato Carioca, sem certeza de sua renovação, Rafael acertou sua ida ao Flamengo. Com a lesão de Juan, o defensor chegou a ser titular na equipe, mas falhou no clássico contra o Fluminense, perdeu espaço e hoje é reserva no Rubro-Negro, podendo se tornar o 4º zagueiro do clube.

Wagner Diniz
O jogador caiu nas graças da torcida vascaína com os pênaltis que frequentemente sofria, entre 2005 e 2008. Acertou com o São Paulo. Foi emprestado ao Santos, que fez um acordo para devolvê-lo ao tricolor paulista. Jogou no América-RJ depois de passar por Itumbiara, Avaí, São Bernardo e Marília

Alex Dias
Alex Dias chegou do Goiás e fez dupla com Romário. Foram 58 jogos e 31 gols marcados. Deixou saudades ao torcedor vascaíno quando optou ir para o São Paulo, em 2006. Após curta passagem positiva, foi para o Fluminense, onde não se firmou. A partir daí, revezou por times pequenos e terminou a carreira no Aparecidense-GO.

Morais
Recebeu algumas propostas da Europa, mas dizia não querer sair do Vasco sem um título. Chegou a ser convocado na primeira lista do Dunga, em 2006. No ano seguinte, foi ameaçado pela torcida. Saiu para o Corinthians, onde foi razoável. Depois passou por Bahia, Atlético-MG, Criciúma, América de Natal, CRB e São Bento