Paraná x Vasco

William comemora com Thalles o gol do Vasco no Kleber Andrade (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)

LANCE!
25/10/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Jorginho achou seu camisa 5. Pelo menos até o final da temporada. Com grande exibição na vitória do último sábado, contra o Paraná, William se consolida como principal nome para tomar conta da proteção a defesa nessa reta final de Série B. Os seus números no jogo do Espírito Santo comprovam isso. Assim como os elogios de Jorginho ao término da partida.

No triunfo no Kleber Andrade, foram nove desarmes feitos por William no decorrer do jogo. Mais do que qualquer outro jogador do Vasco - em 90 minutos disputados - na Série B. Isso tudo em uma nova posição, já que vinha jogando com Jorginho como segundo volante ou terceiro homem de meio-campo, as vezes aberto pela direita.

O alto nível defensivo do volante na rodada de final de semana rendeu elogios do comandante.

– É um cão de guarda. Dá uma consistência muito grande à frente da nossa zaga. No jogo de hoje foi muito importante, porque no primeiro tempo nós sofremos com dois cartões amarelos dos nosso zagueiros. Isso dificultou. Não queria que o Luan e o Rodrigo saíssem para o mano a mano. William ia fazer isso. Ele foi muito eficiente. Tem trabalhado nos passes, no domínio, coisas que provavelmente não teve quando amador, são deficiências que tem que corrigir. Mas é um jogador fantástico – analisou Jorginho, no pós-jogo do Kleber Andrade.

Para o volante, nenhum problema em desempenhar a nova função. Seja como um destruidor de jogadas - na parte defensiva - ou como responsável pela saída de jogo, William quer mesmo é se firmar ainda mais dentro do Vasco. Nos últimas semanas, ele não vinha tendo muitos minutos em campo. Agora, torce para uma maior sequência no clube.

– Estou muito feliz por fazer parte desta vitória, desse grupo maravilhoso. Não tenho nem explicação para falar dessa partida que fizemos hoje. Eu me sinto melhor onde o treinador me colocar para jogar. Opção dele – analisa.

Primeiro reforço do Cruz-Maltino na competição nacional, William teve um belo começo, chegando a disputar seis jogos seguidos como titular na fase invicta do início de Série B. Depois, voltou para o banco e se tornou opção para o segundo tempo. Com a grande atuação do final de semana, o volante espera um recomeço entre os onze iniciais para um final de temporada perfeito.

Na frente de Diguinho pela lacuna em aberto

Para que William fosse titular, Jorginho decidiu, no último sábado, barrar Diguinho, que vinha desempenhando a função de primeiro volante e era bastante criticado pela torcida. A tendência é de que, com a entrada de William, Diguinho perca um pouco de espaço dentro do elenco vascaíno neste final.

Uma outra opção para o primeiro volante seria Marcelo Mattos. Contudo, o jogador segue a recuperação por conta de ruptura no ligamento cruzado anterior. A cirurgia foi um sucesso e o técnico só deve contar com o volante no início de 2017.

Desta forma, William está com cada vez mais moral para tomar conta da primeira posição do meio. Contra o Paraná, jogou ao lado de Douglas Luiz e a dupla funcionou bem, com a defesa voltando a sair de um jogo sem ser vazada.

Com a entrada dos dois, o meio também ganha em vitalidade, visto que são dois jogadores mais jovens do que as outras opções, como Julio dos Santos. Além disso, eles compensação a idade já avançada de Andrezinho e Nenê na parte criativa. Já no final do ano, Jorginho ganha uma nova opção.