Eder Luis - Vasco
Matheus Babo
09/03/2016
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

Quem vê Eder Luis correndo sem limitações com a camisa do Vasco nem imagina a quantidade de problemas que o atacante teve nos últimos dois anos. Com um grave problema no joelho direito, o jogador apostou até em colocar um menisco de cadáver no fim de 2014 para voltar a jogar sem maiores limitações. Foram dias difíceis, com dificuldades para subir escada, até a volta a São Januário. No Cruz-Maltino, tratamento 12 horas por dia e recuperação evoluindo aos poucos.


E 2016 parece ser um bom ano para Eder, já atuou em todos os jogos do time na temporada e voltou a atuar durante uma partida completa depois de dois anos.

– A minha lesão foi muito complicada. Principalmente no início, até por conta do cadáver no menisco. Foi onde complicou um pouco. Em 10 meses, você não conseguir subir uma escada, você começa a pensar que para sua profissão você está acabado. Eu sou um jogador que preciso muito da parte física. Velocidade, explosão o tempo todo. Foi muito difícil, vamos dizer que dois anos como interrogação, sem saber se conseguiria. Mas depois, com a recuperação, comecei a ter mais tranquilidade, confiança, vendo a evolução – explica Eder, revelando apoio da religião e da família na recuperação:

– Foi Deus, que me deu forças todos os dias. Chegar aqui sete da manhã e sair sete da noite, mal ver sua família, é muito complicado. Chega o momento da família ser sacrificada. Agradeço muito a minha esposa, meus filhos, até a minha empregada Adriana. Vale a pena seguir, porque um dia você consegue.


Feliz com o bom momento, Eder Luis exalta os profissionais da atual comissão técnica vascaína. Segundo o jogador, o técnico Jorginho e seu auxiliar Zinho tiveram papel fundamental nesta recuperação e ressalta a importância a pré-temporada para ter confiança:

– Foi tudo uma pré-temporada. Lá eu adquiri tudo que eu tinha perdido. Fiquei sem medo das divididas, tinha receio. Mas é até bom, porque fui ganhando confiança. Antigamente eu sentia uma dorzinha no joelho já queria parar. Agora não. Estou sonhando com títulos, titularidade. Cada momento dentro de campo eu vivo uma alegria diferente. Porque lembro que talvez eu não estivesse mais aqui.

Confira outras respostas de Eder Luis no bate-papo com o LANCE!

Garçom
Não digo que eu seja só garçom. São lances que dentro do jogo você tem que procurar a melhor opção. Tem que deixar um pouco o egoísmo de lado. Muitos jogadores, se tivessem ficado esse tempo todo que eu fiquei sem fazer gol talvez teria arriscado mais. Eu sempre tive esse pensamento de dar a assistência. Tenho certeza que meu gol vai sair, até porque estou cada dia mais confiante.

Jorginho
A confiança que eu falo vem até pela conversa, pela transparência dele. Ele sempre foi muito honesto comigo e isso me tranquilizou. Disse que contava comigo, que priorizava um time titular, o que é normal para um treinador, mas nunca deixou ninguém desanimar. Quando ele chegou, pegou um grupo com 40 jogadores e conseguiu colocar todo muito treinando e não vi nenhum jogador reclamando. É um mérito grande dele. Tomara que vença e fique por muito tempo aqui.

Títulos
Eu acredito que o Vasco hoje é aquele time que está como modelo. No futebol, estamos acostumados a ver um time que cai, ninguém ser valorizado. O Vasco está fazendo o contrário. Foram coisas que aconteceram durante o ano que acarretaram no rebaixamento. É um time de qualidade, que ainda vai dar muitos frutos. Acho que a diretoria acertou em manter, fez poucas contratações. Tenho certeza que esse grupo tem condições de conquistar muita coisa. E merece sair vitorioso.