Jorginho e Zinho - Vasco x Criciúma

Jorginho ao lado de seu auxiliar Zinho: os dois pensam como mudar o conceito (Foto: Jorge Rodrigues/Eleven)

David Nascimento
06/10/2016
08:00
Manaus (AM)

Oscilar no futebol é normal. Principalmente no calendário brasileiro, onde há um número grande de jogos. Mas a temporada de 2016 do Vasco foge à regra. Até junho manteve uma invencibilidade de oito meses e desde então vem em queda. Nesta reta final de ano, quando a busca pelo acesso ficou mais acirrada, é importante parar e rever os conceitos para que uma normalidade seja enfim alcançada.

Jorginho sabe da necessidade. Os seus comandados não sabem o que é vencer fora desde o dia 20 de julho, diante do Santa Cruz, pela Copa do Brasil. Se for contar somente a Série B, última vitória ocorreu em 25 de junho, sobre o CRB. Para um clube que se considera o protagonista da competição, esse cenário não pode acontecer. Perdeu a liderança pela primeira vez após 29 rodadas na Série B e ganha concorrência em momento que cada ponto perdido custa caro.

– Como treinador, tenho que estar atento. Perdemos a liderança da Série B do Campeonato Brasileiro, estamos vindo de duas derrotas, é importante rever todo o conceito, aquilo que vem fazendo, para que possa mudar e tomar uma posição. Não podemos de forma alguma perder o próximo jogo. É fundamental para que voltemos à liderança – ressaltou Jorginho após a derrota para o Paysandu, em Belém, na terça-feira.

Os números também falam por si. Após dez rodadas disputadas no segundo turno desta Série B, o Vasco conquistou apenas 12 pontos e ocupa a 12 colocação. Foram somente três vitórias, com três empates e quatro derrotas. Uma fórmula que pode ser seguida por Jorginho para iniciar esta mudança de conceito – que começou a ser feita após a entrada de Douglas – é colocar mais crias da base, de qualidade, e barrar quem não vem rendendo como se espera do time.

Não se pode deixar o trabalho feito durante o ano cair desta forma justamente em seu fim. Os torcedores do Vasco davam como certo o retorno à elite do futebol brasileiro de forma antecipada, o que pelo cenário não ocorrerá. O período em Manaus até o jogo de sábado, contra o Londrina, ganha mais em importância para voltar aos trilhos. Uma nova derrota pode dar brecha em crise. Tem que mudar.