Nenê - Vasco x Santos

Nenê é o artilheiro do Vasco na Série B, com 12 gols marcados (Foto: Jorge Rodrigues/Eleven)

LANCE!
08/10/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Depois da invencibilidade e título estadual, o Vasco vive seu momento de maior turbulência na temporada. As derrotas para Náutico e Paysandu em sequência - ambas fora do Rio de Janeiro - ligam o sinal de alerta do time. A hora é de chamar a responsabilidade. Referência técnica do time, Nenê volta ao time após cumprir suspensão e tem a missão de chamar o jogo e voltar a ser o jogador que conquistou o coração cruz-maltino. O Vasco enfrenta o Londrina, às 18h30, na Arena da Amazônia. O site do LANCE! transmite em tempo real.

O camisa 10 cruz-maltino, assim como o time, caiu muito de produção neste returno da Série B. Foram apenas dois gols na segunda metade do campeonato, sendo ambos de bola parada (um de falta e outro de pênalti). Pouco se comparado aos 10 que marcou na primeira parte do campeonato. E os números ofensivos de todo o time do Vasco caem drasticamente sem o seu principal jogador de frente.

Dos 10 jogos do Cruz-Maltino no returno, ele também foi desfalque em três deles. Dois foram por conta de lesão. Mas um foi por cartão amarelo. o que tem sido uma tônica do meia na temporada. Foram 17 cartões de Nenê na temporada. O meia é o 4º jogador que mais recebeu cartões amarelos na Série B. As reclamações em campo, em meio ao momento turbulento, tem sido comum. E precisa ser superada pelo camisa 10 o quanto antes.

Maior finalizador do time dentro do elenco, o meia esteve fora do último jogo, em Belém. Agora, volta ao time hoje com a responsabilidade de recolocar o Vasco na liderança. E respaldado pelo time:

– Um jogador da classe do Nenê sempre é bem-vindo. Obviamente, ele vai colocar em campo tudo o que sabe e vai beneficiar muito o time – lembra o arqueiro e um dos mais experientes, Martin Silva.

Na sua melhor fase técnica pelo Vasco, Nenê manteve junto com o time uma invencibilidade que ficou para a história. Foram 34 jogos de grandes exibições e de uma série sem derrotas. Hoje, na Arena Amazônia, busca dar um passo para voltar a ser aquele camisa 10 que, pelas grandes exibições, se tornou ídolo da torcida cruz-maltina.