Palmeiras x Vasco (Foto: Mauro Horita/LANCEPRESS!)

Vascaínos comemoram um dos gols da vitória sobre o Palmeiras, em São Paulo (Foto: Mauro Horita/LANCEPRESS!)

João Matheus Ferreira
09/11/2015
11:15
Rio de Janeiro (RJ)

Dois pontos separam o Vasco do primeiro time fora da zona de rebaixamento. Mais uma vez a rodada foi boa para o Cruz-Maltino, que teve ótima atuação contra o Palmeiras, mesmo jogando fora de casa. Motivos não faltam para o torcedor acreditar, mais do que nunca, que a fuga do rebaixamento é algo possível.

Inclusive, o jogo de domingo remete à fatídica virada histórica de 2000. Além de ter sido no palco – remodelado, claro – da decisão da Mercosul daquele ano, quando o Vasco venceu por 4 a 3 após o Palmeiras abrir 3 a 0, o contexto tem uma leve semelhança. Afinal, se o Cruz-Maltino conseguir evitar a degola, será uma outra “virada histórica”, embora a situação seja completamente diferente.

A outra relação está na confiança do torcedor. Noutro dia, ouvi a seguinte frase: “O vascaíno que não acredita na reação é o mesmo que foi dormir no intervalo da Mercosul” – o jogo foi à noite, no meio da semana. É claro que são situações e times dierentes. É evidente que aquela equipe jamais pode ser comparada com essa. Mas também é notório que, à exceção do clássico com o Fluminense, o Vasco deu motivos para acreditar em um milagre nessas últimas 11 rodadas que disputou.

Faltam quatro jogos para o fim do Brasileirão. O Vasco precisa, ao menos, de mais três vitórias para ter boas chances de não terminar rebaixado. É possível, mas será ainda mais se a torcida jogar junto nos dois jogos em casa que ainda restam, contra Corinthians e Santos – envolvido na Copa do Brasil. Afinal, quem “escolheu acreditar” terá uma satisfação enorme e até maior do que aqueles que “dormiram no intervalo” da Mercosul.