icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/08/2015
10:30

É duro dizer isso, mas a cada dia que passa o terceiro rebaixamento do Vasco para a Série B fica mais próximo de se tornar realidade. A derrota dolorosa para o Figueirense, além de ser um resultado horroroso, deixa até o mais otimista torcedor desacreditado em uma possível salvação. Chega a ser crueldade.

Dentre os inúmeros defeitos do Cruz-Maltino contra o Figueirense, o principal deles foi a falta de eficiência do ataque. Um problema antigo, tanto que até agora o Vasco marcou míseros oito gols em 21 rodadas. O número é ridículo, assim como a campanha, como o futebol dentro de campo, como tudo... No sábado, a equipe até criou, mas esbarrou no bom goleiro Alex Muralha e na falta de qualidade do setor ofensivo.

Há, ainda, um outro ingrediente que atrapalha bastante o Vasco no Brasileirão. Como disse recentemente o vice-presidente de futebol, José Luis Moreira, coisas “sobrenaturais” acontecem com o Cruz-Maltino na competição. É claro que isso não pode ser argumento para a atual fase, mas é evidente que uma dose a mais de sorte ajudaria bastante. O gol no fim, como já hava acontecido contra o Coritiba, é um bom exemplo disso.

De qualquer forma, daqui para a frente o time de Jorginho só pode pensar em vencer e tentar fazer história, algo que a cada dia fica mais difícil de acreditar. Nas últimas cinco rodadas, a equipe teve uma sequência contra adversários diretos na briga contra o rebaixamento. Perdeu quatro e empatou um. Lamentável.

De bom, apenas a torcida, que compareceu em bom número – pouco mais de 17 mil – e apoiou em quase todo o jogo. Uma pena que o futuro seja um tanto quanto sombrio. Pois o Vasco está quase rebaixado.

É duro dizer isso, mas a cada dia que passa o terceiro rebaixamento do Vasco para a Série B fica mais próximo de se tornar realidade. A derrota dolorosa para o Figueirense, além de ser um resultado horroroso, deixa até o mais otimista torcedor desacreditado em uma possível salvação. Chega a ser crueldade.

Dentre os inúmeros defeitos do Cruz-Maltino contra o Figueirense, o principal deles foi a falta de eficiência do ataque. Um problema antigo, tanto que até agora o Vasco marcou míseros oito gols em 21 rodadas. O número é ridículo, assim como a campanha, como o futebol dentro de campo, como tudo... No sábado, a equipe até criou, mas esbarrou no bom goleiro Alex Muralha e na falta de qualidade do setor ofensivo.

Há, ainda, um outro ingrediente que atrapalha bastante o Vasco no Brasileirão. Como disse recentemente o vice-presidente de futebol, José Luis Moreira, coisas “sobrenaturais” acontecem com o Cruz-Maltino na competição. É claro que isso não pode ser argumento para a atual fase, mas é evidente que uma dose a mais de sorte ajudaria bastante. O gol no fim, como já hava acontecido contra o Coritiba, é um bom exemplo disso.

De qualquer forma, daqui para a frente o time de Jorginho só pode pensar em vencer e tentar fazer história, algo que a cada dia fica mais difícil de acreditar. Nas últimas cinco rodadas, a equipe teve uma sequência contra adversários diretos na briga contra o rebaixamento. Perdeu quatro e empatou um. Lamentável.

De bom, apenas a torcida, que compareceu em bom número – pouco mais de 17 mil – e apoiou em quase todo o jogo. Uma pena que o futuro seja um tanto quanto sombrio. Pois o Vasco está quase rebaixado.