Nenê - Oeste x Vasco

Nenê segue dando show com a camisa do Vasco na temporada (Foto: Miguel Schincariol/Lancepress!)

RADAR/LANCE!
01/06/2016
19:39
Rio de Janeiro (RJ)

A fase, moral e importância de Nenê no time do Vasco é inquestionável. O jogador, ídolo da torcida, é peça-chave na fase invicta do Gigante da Colina, que está invicto há sete meses ou 32 partidas, uma das maiores sequências da história do clube. No entanto, o camisa 10 cruz-maltino achou espaço para mais um predicado: ser artilheiro.

Antes do início da Série B, Nenê tinha marcado sete gols em 17 jogos em 2016. Na competição nacional, contudo, o jogador é o artilheiro com oito gols em apenas cinco rodadas disputadas. Diante da "nova" faceta do ídolo vascaíno, o LANCE! foi atrás de respostas para o fato.

Os editores Carlos Alberto Vieira e Rafael Bullara, além do colunista João Carlos Assumpção fizeram uma analisa da fase goleadora de Nenê. Será que foi uma mudança de posicionamento? A pontaria ficou mais afiada? A ausência de Andrezinho abriu mais espaços no campo? Confira abaixo:

CARLOS ALBERTO VIEIRA
​Nenê está em boa fase desde que chegou. Imagino que se ele desembarcasse algumas semanas antes o Vasco nem estaria na Série B. O que acontece com o camisa 10 é que ele está mais confiante nos arremates. Como é inquestionável, pode até ser um pouco fominha, tentando finalizar muito mais do que o normal. Além disso cobra bem as faltas e tem eficácia alta nos pênaltis. Com a moral que tem, Nenê brigará pela artilharia.

JOÃO CARLOS ASSUMPÇÃO
​O Nenê está em processo de evolução no Vasco. Ele tem de fato se movimentado mais em campo sem o Andrezinho, mas de uns tempos pra cá está se posicionando melhor e tem chamado mais o jogo pra si. Com ou sem Andrezinho. Agora o que colabora é o ótimo trabalho do Jorginho.

O Vasco tem uma equipe que fala a mesma língua. Que está cada vez mais entrosada. E isso ajuda muito o artilheiro da Série B.

RAFAEL BULLARA
Nenê é um dos principais jogadores do futebol brasileiro atualmente. Aos 34 anos, a experiência e habilidade dele fazem a diferença e isso se reflete em campo não só com passes, mas também com gols. No Carioca já tinha sido assim e na Série B isso se repete logo nas primeiras rodadas.