icons.title signature.placeholder Felippe Rocha
icons.title signature.placeholder Felippe Rocha
20/08/2015
01:26

Jorginho não poderia ter imaginado um início melhor. Vitória sobre o maior rival para fazer o Vasco sair na frente nas oitavas de final da Copa do Brasil. O treinador não acredita que os dois treinos que comandou em São Januário tenham sido tão influentes quanto a conversa franca que teve com os jogadores.

- Acho que é muito cedo para falar que Vasco está com a minha cara, pois treinamos dois dias apenas. Procurei dar um padrão tático, o que é difícil em dois dias. Tentando fazer o que imaginava em conceito de jogo. marcando na frente, liberando laterais ao mesmo tempo, quando possível, mas sendo muito consistente defensivamente. Mas eles já vinham fazendo isso. Em nenhum momento via corpo mole nas outras partidas, mas coisas não estavam acontecendo. O que falamos é que é inadmissível, com a qualidade que temos, estarmos como estamos. Mas temos um jogo dificílimo no fim de semana. Foi um bom jogo, eles (Flamengo) tiveram oportunidades e poderiam ter vencido. Mas eu fico mais feliz com a postura, a determinação - exalta.

Jorginho explica ainda porque demorou a fazer substituições, mesmo quando a equipe tinha um jogador a mais. Ele acredita que, mesmo assim, conseguiu encurralar os jogadores rivais.

- Pensei em tirar o Julio dos Santos, mas ele disse que estava bem. Não é fácil acompanhar o Jorge (lateral-esquerdo). Mas ele fez perfeitamente. Procuramos trocar seis por meia dúzia, não trazendo para dentro, mas empurramos para dentro deles. Depois da expulsão, facilitou um pouquinho para a gente - explica.

O técnico cruz-maltino, agora, tem mais dois dias para incluir as melhorias que acredita na equipe. O duelo pelo Campeonato Brasileiro é contra o Goiás, no sábado.

Jorginho não poderia ter imaginado um início melhor. Vitória sobre o maior rival para fazer o Vasco sair na frente nas oitavas de final da Copa do Brasil. O treinador não acredita que os dois treinos que comandou em São Januário tenham sido tão influentes quanto a conversa franca que teve com os jogadores.

- Acho que é muito cedo para falar que Vasco está com a minha cara, pois treinamos dois dias apenas. Procurei dar um padrão tático, o que é difícil em dois dias. Tentando fazer o que imaginava em conceito de jogo. marcando na frente, liberando laterais ao mesmo tempo, quando possível, mas sendo muito consistente defensivamente. Mas eles já vinham fazendo isso. Em nenhum momento via corpo mole nas outras partidas, mas coisas não estavam acontecendo. O que falamos é que é inadmissível, com a qualidade que temos, estarmos como estamos. Mas temos um jogo dificílimo no fim de semana. Foi um bom jogo, eles (Flamengo) tiveram oportunidades e poderiam ter vencido. Mas eu fico mais feliz com a postura, a determinação - exalta.

Jorginho explica ainda porque demorou a fazer substituições, mesmo quando a equipe tinha um jogador a mais. Ele acredita que, mesmo assim, conseguiu encurralar os jogadores rivais.

- Pensei em tirar o Julio dos Santos, mas ele disse que estava bem. Não é fácil acompanhar o Jorge (lateral-esquerdo). Mas ele fez perfeitamente. Procuramos trocar seis por meia dúzia, não trazendo para dentro, mas empurramos para dentro deles. Depois da expulsão, facilitou um pouquinho para a gente - explica.

O técnico cruz-maltino, agora, tem mais dois dias para incluir as melhorias que acredita na equipe. O duelo pelo Campeonato Brasileiro é contra o Goiás, no sábado.