Vasco - Zinho Jorginho e Eurico Miranda (foto:Paulo Fernandes/Vasco)

Jorginho, Zinho e Eurico Miranda na chegada ao Vasco da comissão no ano passado (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)

David Nascimento
29/04/2016
21:22
Rio de Janeiro (RJ)

A cumplicidade entre Jorginho, sua comissão técnica e o Vasco é nítida. Foi o presidente Eurico Miranda que acreditou no trabalho do treinador e sua equipe em agosto de 2015, em um momento que estavam fora do mercado. Agora, porém, o trabalho ímpar feito por ele em São Januário despertou o interesse do Cruzeiro, que fez na noite de quinta-feira uma proposta formal ao comandante, o que vem sendo visto como fiel da balança.

No Vasco, Jorginho, o auxiliar-técnico Zinho e o preparador físico Joelton Urtiga, membros da comissão técnica, recebem juntos cerca de R$ 200 mil mensais. O Cruzeiro, por sua vez, dobrou o valor: R$ 400 mil. Nos bastidores, a cúpula do Vasco já deixou claro que não tem condições de cobrir a oferta. E um fato tratado como certo pelos envolvidos é o de que a quantia proposta pelos mineiros balançou. Ricardo Gomes e Reinaldo Rueda são as outras opções do Cruzeiro.

Além de Jorginho, Cruzeiro mantém o alerta como em Ricardo Gomes e Reinaldo Rueda como treinador

Outro ponto certo tratado pelos envolvidos é o de que Jorginho não comentará o assunto publicamente até que termine a disputa do Campeonato Carioca. Por estar no trabalho desde o início e a confiança que Eurico Miranda deposita em sua comissão, Jorginho prefere manter o foco para não atrapalhar o elenco. Em entrevista após o treinamento na noite desta sexta-feira, salientou que a movimentação na imprensa não passa de suposição:

– Meu presidente não foi procurado por ninguém, e é isso que é a verdade. Se existe alguma coisa, eu tenho que falar para o meu presidente. Se eu falar qualquer coisa, estarei tirando o foco da decisão do Campeonato Carioca. Quero que meus jogadores se concentrem só nisso, e que eu me concentre só nisso. Não vou deixar que desvirtuem o caminho. Estou respirando isso e nada mais. Tudo o que estão falando são suposições.

ÉTICA EM JOGO
Eurico dispara contra o Cruzeiro por Jorginho

Jorginho no Vasco não tem contrato por tempo determinado, e sim regime de carteira assinada em CLT. Por isso, a cúpula do Cruzeiro não entrou em contato diretamente com a diretoria do Vasco para negociar possível transferência do treinador. E esta atitude desagradou o presidente vascaíno Eurico Miranda.

O presidente do Vasco foi questionado pela reportagem do LANCE! na noite desta sexta-feira se teria faltado ética por parte do Cruzeiro. Ele disse que sim e destacou ainda que espera pela permanência de Jorginho no time. Eurico Miranda também falou sobre as condições de trabalho do técnico.

– Faltou sim (ética). Estou sabendo de todas as movimentações pela imprensa. Ninguém de lá chegou até a minha pessoa para falar algo. Espero que ele fique, sempre teve total condição de trabalho e seguirá tendo comigo aqui – afirmou o presidente.

A reportagem também entrou em contato com Bruno Vicintin, vice-presidente de futebol do Cruzeiro. O dirigente atendeu a ligação no primeiro momento, alegou estar ocupado e pediu para retornar o contato uma hora depois. Porém, as ligações depois não foram mais atendidas.

AS OPÇÕES DO CRUZEIRO

Jorginho
Técnico do Vasco. Chegou ao clube em agosto do ano passado, em um momento que estava fora do mercado. É a opção número um da cúpula do Cruzeiro. Publicamente, Jorginho vem despistando sobre o futuro, afirmando estar focado na final do Campeonato Carioca diante do Botafogo.

Ricardo Gomes
Técnico do Botafogo. Chegou ao clube em julho do ano passado, em uma espécie de “retorno ao futebol” depois de ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral, em 2011. Se firmou no Glorioso e conduziu o clube no retorno à elite do futebol brasileiro. Na atual temporada, apresenta um bom trabalho até a final do Estadual. Já disse publicamente que não sairá.

Reinaldo Rueda
Técnico do Atlético Nacional, da Colômbia. Chegou ao clube no início do ano passado, onde também vem apresentando um bom trabalho. É natural de Cali, na Colômbia, e nunca dirigiu uma equipe brasileira. Tem passagens pelos times colombianos de Cortuluá, Deportivo Cali, Independiente Medellín, além da própria seleção nacional do país. Publicamente, também despista sobre o futuro.