icons.title signature.placeholder João Matheus Ferreira
icons.title signature.placeholder João Matheus Ferreira
21/08/2015
08:00

O mundo dá voltas. São vários os exemplos disso no futebol. Jorge Henrique é um deles. O atacante do Vasco, herói da vitória sobre o Flamengo, na quarta-feira, deu os primeiros passos no futebol com a camisa cruz-maltina. Agora, quase vinte anos depois, retorna para ser um dos protagonistas na briga pela permanência na Série A do Brasileirão e, por que não?, o sonho do bi na Copa do Brasil.

Quando tinha apenas 10 anos de idade, ainda na década de 1990, Jorge Henrique passou em um teste em um núcleo do Vasco, como eram chamadas as escolinhas do clube espalhadas pelo Rio, onde aqueles que se destacavam poderiam ser aproveitados em São Januário. O núcleo que o atacante jogou era na cidade de Resende, na região Sul Fluminense, onde nasceu. Por lá, ficou por três anos, mas não continuou.

Depois disso, jogou na base do Barra Mansa até ser convidado pelo Náutico para integrar as categorias de base da equipe pernambucana. A partir daí, iniciou a carreira profissional. Se destacou na Série B, em 2003, e virou realidade quatro anos depois, quando vestiu as camisas de Botafogo, Corinthians e Inter.

Há pouco mais de duas semanas, foi contratado pelo Cruz-Maltino. Estava sem espaço na equipe gaúcha, conseguiu a rescisão contratual, e assinou vínculo com o Vasco até o fim do ano que vem. Sincero, o atacante admitiu que não imaginava que um dia voltaria a São Januário, agora como um atleta profissional e uma carreira vitoriosa a zelar.

- Não imaginava isso, até porque minha primeira oportunidade como profissional foi em Recife, só depois que comecei a jogar em equipes grandes como Corinthians, Botafogo e o próprio Náutico. Agora tenho essa possibilidade de vestir essa camisa - disse o atleta, ao LANCE!.

MÃE GUARDA CAMISA DA ESCOLINHA

Jorge Henrique ainda guarda uma lembrança da época em que jogou na escolinha do Vasco. A camisa que usava para os treinamentos está guardada com a mãe dele, em Resende, local onde ficava o núcleo do Cruz-Maltino. Com bom humor após o gol decisivo no clássico contra o Flamengo, o atacante brincou sobre a camisa daquela época.

- Hoje brinco com a minha mãe que se desse para esticar um pouquinho mais aquele camisa eu traria ela aqui para treinar (risos). Tenho essa camisa até hoje. Está guardadinha com a minha mãe - contou.

Esta é a segunda passagem de Jorge Henrique pelo futebol carioca. Antes de acertar com o Vasco, ele atuou pelo Botafogo por duas temporadas, entre 2007 e 2008. Foi lá que ganhou projeção no futebol nacional.

O mundo dá voltas. São vários os exemplos disso no futebol. Jorge Henrique é um deles. O atacante do Vasco, herói da vitória sobre o Flamengo, na quarta-feira, deu os primeiros passos no futebol com a camisa cruz-maltina. Agora, quase vinte anos depois, retorna para ser um dos protagonistas na briga pela permanência na Série A do Brasileirão e, por que não?, o sonho do bi na Copa do Brasil.

Quando tinha apenas 10 anos de idade, ainda na década de 1990, Jorge Henrique passou em um teste em um núcleo do Vasco, como eram chamadas as escolinhas do clube espalhadas pelo Rio, onde aqueles que se destacavam poderiam ser aproveitados em São Januário. O núcleo que o atacante jogou era na cidade de Resende, na região Sul Fluminense, onde nasceu. Por lá, ficou por três anos, mas não continuou.

Depois disso, jogou na base do Barra Mansa até ser convidado pelo Náutico para integrar as categorias de base da equipe pernambucana. A partir daí, iniciou a carreira profissional. Se destacou na Série B, em 2003, e virou realidade quatro anos depois, quando vestiu as camisas de Botafogo, Corinthians e Inter.

Há pouco mais de duas semanas, foi contratado pelo Cruz-Maltino. Estava sem espaço na equipe gaúcha, conseguiu a rescisão contratual, e assinou vínculo com o Vasco até o fim do ano que vem. Sincero, o atacante admitiu que não imaginava que um dia voltaria a São Januário, agora como um atleta profissional e uma carreira vitoriosa a zelar.

- Não imaginava isso, até porque minha primeira oportunidade como profissional foi em Recife, só depois que comecei a jogar em equipes grandes como Corinthians, Botafogo e o próprio Náutico. Agora tenho essa possibilidade de vestir essa camisa - disse o atleta, ao LANCE!.

MÃE GUARDA CAMISA DA ESCOLINHA

Jorge Henrique ainda guarda uma lembrança da época em que jogou na escolinha do Vasco. A camisa que usava para os treinamentos está guardada com a mãe dele, em Resende, local onde ficava o núcleo do Cruz-Maltino. Com bom humor após o gol decisivo no clássico contra o Flamengo, o atacante brincou sobre a camisa daquela época.

- Hoje brinco com a minha mãe que se desse para esticar um pouquinho mais aquele camisa eu traria ela aqui para treinar (risos). Tenho essa camisa até hoje. Está guardadinha com a minha mãe - contou.

Esta é a segunda passagem de Jorge Henrique pelo futebol carioca. Antes de acertar com o Vasco, ele atuou pelo Botafogo por duas temporadas, entre 2007 e 2008. Foi lá que ganhou projeção no futebol nacional.