David Nascimento e Hugo Mirandela
20/01/2018
01:07
Rio de Janeiro (RJ)

Em processo eleitoral histórico e turbulento, com reviravoltas, brigas na Justiça, acordos e racha de união aos '45 do segundo tempo', Alexandre Campello foi eleito o novo presidente do Vasco para o triênio 2018-2020, em sessão solene com clima quente na Sede Náutica da Lagoa, que começou na noite desta sexta-feira e entrou na madrugada de sábado. Pela primeira vez o Conselho Deliberativo contrariou a votação dos sócios. O ex-médico do clube derrotou Julio Brant, de quem era aliado até a última quinta, com apoio do grupo de situação de Eurico Miranda. Ele toma posse na próxima segunda-feira.

Na votação entre os conselheiros natos e eleitos, Campello recebeu 154 votos, enquanto Brant teve 88. Elói Ferreira de Araújo será 1º vice-presidente geral e Sonia Maria Andrade dos Santos a 2º vice-presidente geral.

Eleição para o Conselho Deliberativo

A primeira votação da noite foi para escolher o novo presidente do Conselho Deliberativo do clube para os próximos três anos. Nome da chapa de Campello, Roberto Monteiro foi eleito derrotando Eduardo Rebuzzi, do grupo de Julio Brant, por 158 votos a 96.

Ele seria candidato ao cargo pelo grupo de Julio Brant, mas também rompeu com o nome da 'Sempre Vasco' na semana da eleição. No Code para o triênio 2018-2020, Sérgio Tavares Romay será o vice-presidente, Rogério Peres Fernandes o 1º secretário e Anídio Barreira Duarte o 2º secretário.

Conselho Fiscal

A última votação da noite foi para o Conselho Fiscal. Edmilson Valentim venceu com 136 votos contra 18 de Otto Carvalho.

Confusões dentro e fora da sede

Em uma das eleições mais turbulentas da história do clube, os nervos estavam á flor da pele na Sede Náutica da Lagoa. Cerca de 500 torcedores compareceram e ficaram do lado de fora, e a maioria estavam apoiando Brant. O clima esquentou diversas vezes. Algumas delas quando pessoas com a camisa de Campello passaram em meio ao grupo. Muitos xingamentos contra o presidente eleito e também a Eurico Miranda.

Em determinado momento, houve pancadaria entre eles. Alguns torcedores tentaram pular a grade que protegia a entrada da sede e foram contidos por seguranças. Os ânimos só se acalmaram com a chegada da polícia, que reforçou o contingente no local. Depois disso, alguns torcedores acusaram membros da organizada Força Jovem de iniciar o tumulto. Durante a votação presidencial teve mais briga e os policiais tiveram que usar spray de pimenta para dispersar as pessoas.

Do lado de dentro o clima também estava quente. Houve confusões generalizadas entre os conselheiros, que discutiram asperamente e quase foram às vias de fato. Depois, Julio Brant e Eurico Miranda se desentenderam após o primeiro tirar o microfone da mão do antigo mandatário, que tinha acabado de discursar.

Racha de Campello com Brant

Candidatos para a eleição presidencial do Vasco, Julio Brant e Alexandre Campello uniram para concorrer no pleito após o segundo retirar sua candidatura. Assim, agora pela 'Sempre Vasco Livre', Brant viria como presidente e Campello como o seu vice. Depois que a Justiça anulou os 475 votos da urna 7 por suspeitas de irregularidades, a chapa deles venceu a eleição entre os sócios, no dia 7 de novembro, contra a 'Reconstruindo o Vasco', de Eurico Miranda.

No entanto, a menos de 24h da reunião dos conselheiros, Campello rompeu com Brant. Ele alegou que o seu grupo não estava tendo a participação que merecia e foi deixado de lado pelas pessoas da 'Sempre Vasco'.

Ao romper com Brant, Campello se lançou candidato a presidente com o apoio do grupo de situação, de Eurico Miranda. Em conversas de bastidores na última semana, Eurico teve a iniciativa de apoiar Campello, já sabendo da crise dele com Brant.

Conforme o LANCE! publicou na última terça-feira, o grupo de Alexandre Campello e Roberto Monteiro começou a agir internamente para este rompimento e costurou um acordo com a situação para que os aliados do antigo presidente votassem no médico para ser o novo mandatário do clube.

Sabendo que assim o cenário estava indefinido, Brant foi atrás de apoios e conseguiu um de peso: Antônio Soares Calçada, presidente de honra do Vasco e com prestígio entre os conselheiros natos. Além dele, Fernando Horta também reafirmou apoio ao candidato da 'Sempre Vasco'. Porém, mesmo assim ele não conseguiu superar Campello.

placeholder