icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
24/02/2015
15:21

A evolução do Avaí no Campeonato Catarinense foi interrompida por um erro administrativo do clube. No último domingo, o zagueiro Antônio Carlos entrou em campo para enfrentar o Marcílio Dias, mas o jogador de 21 anos não estava inscrito no Estadual. Como punição, o Avaí pode perder até seis pontos na tabela.

O presidente do clube, Nilton Macedo Machado, marcou uma coletiva na manhã desta terça-feira, onde falou sobre o assunto. Segundo o mandatário, Antônio Carlos não tem um contrato válido, o que impediu sua inscrição no campeonato. Nilton Machado não revelou nomes, mas afirma que o erro é responsabilidade do departamento de registros do Avaí.

- O servidor não conseguiu gerar o contrato na sexta-feira e foi avisado ao departamento de futebol que estava tudo certo. Na verdade, ele não poderia ter sido relacionado. A liberação do antigo clube chegou com tempo hábil, mas houve um erro da pessoa encarregada de gerar o contrato.  Sabemos da consequência da perda dos seis pontos e não tenho vergonha de vir aqui. Houve, sim, um erro humano. Esse erro foi apurado, os responsáveis serão punidos na medida do erro e no prejuízo ao Avaí, prejuízo à imagem, financeiro, com arrecadação por não passarmos ao hexagonal.

Com a perda dos seis pontos, o Avaí ocupará a lanterna do Catarinense, e não conseguirá disputar o hexagonal final. O Tribunal de Justiça Desportiva ainda não marcou a audiência, mas o presidente afirma que o clube não irá recorrer da punição.

- O tribunal não decretou, mas as regras devem ser cumpridas. Não vamos lutar para que isso não aconteça, o jogador não estava com contrato. Vamos disputar o quadrangular com muita honra e o Avaí não vai se diminuir por um erro lamentável, mas com possibilidade de aprendizado. O Avaí é uma instituição e a vida não acaba. É um quadrangular para lutar contra o descenso e não o chamo "de morte", porque ninguém morre. Temos que admitir o erro, foi aqui de dentro e eu vi isso. Quem tiver culpa realmente vai ser punido e não é o momento de decisões graves. É de identificar os culpados, é caso de demissão, sim, para as pessoas diretamente envolvidas. Não vamos mensurar a ordem.