icons.title signature.placeholder Daniela Caravaggi
30/04/2014
09:04

Ser zagueiro de um clube grande não é tarefa fácil. Ser também um dos artilheiros desse time não deve ser fácil. E quando, mesmo após gols e uma boa atuação, esse jogador recebe críticas vindas de seu pai, mais exigente que seu técnico? Antonio Carlos, defensor do São Paulo, leva essa situação tranquilamente.

Após anotar mais um gol no empate com o Cruzeiro por 1 a 1, no último domingo, o zagueiro disse que maior do que a cobrança de Muricy Ramalho é a de dentro de casa.

Ex-jogador de futebol, o pai do defensor tricolor acompanha todos os jogos do clube do Morumbi e faz questão de ligar para o filho após as partidas para analisar sua atuação. Quem pensa que Antonio Carlos só escuta coisas boas, de um pai coruja, está muito enganado.

- Eu só falo as críticas mesmo. Coisas boas eu não falo, mas hoje são poucos os pontos fracos dele. Ele evoluiu bastante. Quando estacomeçando a carreira, não aceitava muito as críticas, mas depois via que eu estava certo - ressaltou o pai do jogador, também chamado Antônio, em entrevista ao LANCE!Net.

Se o zagueiro herdou o nome do pai, o talento para a bola, segundo os vizinhos, foi herdado parcialmente. Antonio Carlos conta que quando vai visitar seu pai no Rio de Janeiro, os amigos brincam dizendo que se ele jogasse pelo menos um terço do que seu progenitor jogava, ele estaria na Seleção.

- Até quando faço gol não está bom  Acho que ele analisa por ter jogado de zagueiro também. Fico feliz por ter em casa um cara que entende. Às vezes escutamos críticas de pessoas que nunca jogaram e não sabem nada - disse o beque.

Brincadeiras à parte, o retrospecto de Antonio Carlos é expressivo. Ele é o zagueiro que mais marcou gols na história dos pontos corridos do Brasileirão, com 28.

Com a camisa tricolor foram 11 desde o ano passado, quando chegou ao clube. Nesta temporada, ele balançou as redes seis vezes, ficando atrás apenas de Luis Fabiano.