icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
21/07/2013
11:03

Medalhas nas últimas Olimpíadas e Mundial, casamento após uma das conquistas olímpicas em 2012 e apontado como um dos principais nomes do Mundial de Atletismo Paralímpico, em Lyon (FRA). O que mais Yohansson Nascimento poderia desajar? É difícil imaginar, mas uma coisa é certa: ele não quer deixar a França sem mais conquistas, principalmente nos 100m, na categoria T46.

Apesar de ter levado o ouro nos 200m e a prata nos 400m, em Londres-2012, o alagoano não esconde a decepção pela falta de uma medalha na prova mais veloz. Na ocasião, o favorito ao título sentiu uma lesão muscular na coxa esquerda. Agora, quer deixar isso para trás.

Para evitar um novo problema e diminuir o desgaste excessivo, Yohansson desistiu de participar da prova mais longa, dos 400m. Vai correr apenas os 200m (as semifinais estão marcadas para este sábado), os 100m e o revezamento 4x10m.

Mesmo assim, novamente uma lesão é sua grande adversária.

– Estou com uma inflamação no joelho esquerdo desde fevereiro, mas tenho treinado. Isso não vai ser motivo para abaixar a cabeça, mas sim uma razão a mais para buscar a superação. Mesmo com os empecilhos que tive durante o ano, vou para fazer o melhor resultado da minha vida – disse ao L!.

Apesar do incômodo, o brasileiro mostra confiança. A ideia conseguir é repetir o ouro do último Mundial nos 100m e levar a mesma medalha nas outras provas.

Após pedir a então namorada em casamento ao vencer os 200m em Londres-2012, o corredor garante não ter preparado nenhuma surpresa dessa vez. Mas quem sabe...

– Dessa vez não vai ter muita surpresa. Quero fazer o resultado. Quem sabe nas próximas competições - declarou Yohansson.

EM LONDRES-2012:

Yohansson Nascimento conquistou a medalha de ouro nos 200m da categoria T46 e ficou com a prata nos 400m. Favorito para ficar em primeiro lugar também nos 100m, ele se lesionou durante a disputa da final. Decepcionado, ele ainda teve forças para completar mesmo mancando. O brasileiro também ficou marcado na competição por exibir um cartaz pedindo a então na namorada, Thalita, em casamento logo após a vitória nos 200m.

CONFIRA UM BATE-BOLA EXCLUSIVO COM YOHANSSON NASCIMENTO:

LANCE!Net: Como está a expectativa para o Mundial?
Yohansson Nascimento: Expectativa é a melhor possível por representar bem o Brasil. Sem dúvida tentar trazer medalhas e subir no lugar mais alto do pódio.

L!Net: Como é ser um dos destaques para o Mundial?
YN: É muito gratificante saber que sou um dos destaques. Mas isso dá um pouco mais de pressão. As pessoas esperam bons resultados, a medalha de ouro. Por isso, estou indo muito focado para a competição e tentar conseguir o melhor resultado da minha vida.

L!Net: Como está a inflamação?
YN: Ela está incomodando desde fevereiro, É uma tendinite. Nas últimas semanas, deu uma aliviada. Me deu confiança para fazer uma boa competição. É no joelho esquerdo. Isso me limitou bastante. Como sou velocista, isso incomodava na aceleração do tiro. Quando fazia um treino mais veloz, mas rápido, isso incomodava e nem conseguia terminar. Nas duas últimas semanas, fiz um tratamento mais intensivo, fiz fisioterapia e alongamento. Melhorou e meu deu mais confiança para terminar a aclimatação na França para chegar bem na competição.

L!Net: Por que não competir os 400m?
YN: O calendário está muito apertado. Rompi o músculo da perna esquerda em Londres justamente pela sobrecarga de provas. Lá, fiz quatro provas. Fui muito bem em todas, mas quando foi na final dos 100m, rompi o músculo da perna e não terminei a prova por causa dessa fadiga muscular. Vai ter prova de manhã, à tarde e não conseguia conciliar. Vou me preparar para minhas principais provas, que são os 100m e 200m.

L!Net: Foi a grande frustração da carreira a lesão em Londres?
yn: Foi. Era minha última prova, já tinha uma medalha de ouro e prata. Mas não estava satisfeito só com aquilo. Fui para brigar por medalhas em todas as provas. Corri a semifinal, bati o recorde mundial. Foi um momento, não de dor, mas de frustração por saber que a medalha estava tão perto, mas não consegui trazer. Levantei a cabeça, já pensando no Rio para trazer essa medalha de outro olímpica.

L!Net: Como foi o casamento?
YN: Foi bem gratificante. Em lugares que eu ia, as pessoas não perguntavam das medalhas, mas se eu tinha me casado. Planejamos todo o casamento, deu tudo certo. O casamento foi em abril. A Talita mudou esse ano para morar comigo em São Paulo. Agora, durante o Mundial ela foi para Maceió visitar a família.

L!Net: Tremeu mais na Olimpíada ou ao subir no altar?
YN: Na hora de subir no altar. Na hora da competição é mais fácil, me preparei, treinei, sabia o que tinha de fazer. Mas para subir no altar você fica meio perdido, sem saber o que fazer. Deu tudo certo.

* O repórter viaja à convite do Comitê Paralímpico Brasileiro

Medalhas nas últimas Olimpíadas e Mundial, casamento após uma das conquistas olímpicas em 2012 e apontado como um dos principais nomes do Mundial de Atletismo Paralímpico, em Lyon (FRA). O que mais Yohansson Nascimento poderia desajar? É difícil imaginar, mas uma coisa é certa: ele não quer deixar a França sem mais conquistas, principalmente nos 100m, na categoria T46.

Apesar de ter levado o ouro nos 200m e a prata nos 400m, em Londres-2012, o alagoano não esconde a decepção pela falta de uma medalha na prova mais veloz. Na ocasião, o favorito ao título sentiu uma lesão muscular na coxa esquerda. Agora, quer deixar isso para trás.

Para evitar um novo problema e diminuir o desgaste excessivo, Yohansson desistiu de participar da prova mais longa, dos 400m. Vai correr apenas os 200m (as semifinais estão marcadas para este sábado), os 100m e o revezamento 4x10m.

Mesmo assim, novamente uma lesão é sua grande adversária.

– Estou com uma inflamação no joelho esquerdo desde fevereiro, mas tenho treinado. Isso não vai ser motivo para abaixar a cabeça, mas sim uma razão a mais para buscar a superação. Mesmo com os empecilhos que tive durante o ano, vou para fazer o melhor resultado da minha vida – disse ao L!.

Apesar do incômodo, o brasileiro mostra confiança. A ideia conseguir é repetir o ouro do último Mundial nos 100m e levar a mesma medalha nas outras provas.

Após pedir a então namorada em casamento ao vencer os 200m em Londres-2012, o corredor garante não ter preparado nenhuma surpresa dessa vez. Mas quem sabe...

– Dessa vez não vai ter muita surpresa. Quero fazer o resultado. Quem sabe nas próximas competições - declarou Yohansson.

EM LONDRES-2012:

Yohansson Nascimento conquistou a medalha de ouro nos 200m da categoria T46 e ficou com a prata nos 400m. Favorito para ficar em primeiro lugar também nos 100m, ele se lesionou durante a disputa da final. Decepcionado, ele ainda teve forças para completar mesmo mancando. O brasileiro também ficou marcado na competição por exibir um cartaz pedindo a então na namorada, Thalita, em casamento logo após a vitória nos 200m.

CONFIRA UM BATE-BOLA EXCLUSIVO COM YOHANSSON NASCIMENTO:

LANCE!Net: Como está a expectativa para o Mundial?
Yohansson Nascimento: Expectativa é a melhor possível por representar bem o Brasil. Sem dúvida tentar trazer medalhas e subir no lugar mais alto do pódio.

L!Net: Como é ser um dos destaques para o Mundial?
YN: É muito gratificante saber que sou um dos destaques. Mas isso dá um pouco mais de pressão. As pessoas esperam bons resultados, a medalha de ouro. Por isso, estou indo muito focado para a competição e tentar conseguir o melhor resultado da minha vida.

L!Net: Como está a inflamação?
YN: Ela está incomodando desde fevereiro, É uma tendinite. Nas últimas semanas, deu uma aliviada. Me deu confiança para fazer uma boa competição. É no joelho esquerdo. Isso me limitou bastante. Como sou velocista, isso incomodava na aceleração do tiro. Quando fazia um treino mais veloz, mas rápido, isso incomodava e nem conseguia terminar. Nas duas últimas semanas, fiz um tratamento mais intensivo, fiz fisioterapia e alongamento. Melhorou e meu deu mais confiança para terminar a aclimatação na França para chegar bem na competição.

L!Net: Por que não competir os 400m?
YN: O calendário está muito apertado. Rompi o músculo da perna esquerda em Londres justamente pela sobrecarga de provas. Lá, fiz quatro provas. Fui muito bem em todas, mas quando foi na final dos 100m, rompi o músculo da perna e não terminei a prova por causa dessa fadiga muscular. Vai ter prova de manhã, à tarde e não conseguia conciliar. Vou me preparar para minhas principais provas, que são os 100m e 200m.

L!Net: Foi a grande frustração da carreira a lesão em Londres?
yn: Foi. Era minha última prova, já tinha uma medalha de ouro e prata. Mas não estava satisfeito só com aquilo. Fui para brigar por medalhas em todas as provas. Corri a semifinal, bati o recorde mundial. Foi um momento, não de dor, mas de frustração por saber que a medalha estava tão perto, mas não consegui trazer. Levantei a cabeça, já pensando no Rio para trazer essa medalha de outro olímpica.

L!Net: Como foi o casamento?
YN: Foi bem gratificante. Em lugares que eu ia, as pessoas não perguntavam das medalhas, mas se eu tinha me casado. Planejamos todo o casamento, deu tudo certo. O casamento foi em abril. A Talita mudou esse ano para morar comigo em São Paulo. Agora, durante o Mundial ela foi para Maceió visitar a família.

L!Net: Tremeu mais na Olimpíada ou ao subir no altar?
YN: Na hora de subir no altar. Na hora da competição é mais fácil, me preparei, treinei, sabia o que tinha de fazer. Mas para subir no altar você fica meio perdido, sem saber o que fazer. Deu tudo certo.

* O repórter viaja à convite do Comitê Paralímpico Brasileiro