icons.title signature.placeholder Marcello Vieira
01/07/2014
07:14

A vontade de Wellington Nem virou o grande trunfo do Fluminense. O atacante, que atendeu pedido da diretoria do Shakhtar Donetsk e regressou ao clube ucraniano nos últimos dias, tenta convencer os dirigentes do time do Leste Europeu a voltar às Laranjeiras para a disputa do Brasileirão. O jogador, inclusive, já se reuniu com diretores do Shakhtar, fez uma solicitação neste sentido e mantém a esperança.

A diretoria do Flu segue cautelosa e aguarda resposta para ter a liberação a fim de negociar com o jogador. Na prática, salários já foram acertados. Cabe ressaltar que com a saída de vários atletas como Leandro Euzébio, Ronan e Higor, entre outros, existe espaço reservado no orçamento para a chegada de Nem ou de outro atacante veloz.

FORA DE CAMPO
- Fred aproveita companhia da filha em período de descanso

A prioridade segue mesmo a de contar com Wellington Nem. No entanto, caso não consiga obter sucesso com o atacante, o clube buscará alternativas para o setor. Tanto o diretor de futebol, Paulo Angioni, quanto o vice da mesma pasta, Mário Bittencourt, sabem que esta lacuna precisa ser preenchida.


O técnico Cristovão Borges é outro que já deixou clara a necessidade por um atleta com estas características até para ter outras opções táticas. Ele pede por este reforço.

– Precisamos de um atacante de velocidade para ter alternativas, mudar as características de jogo. O único que temos é o Biro-Biro e precisamos de mais gente para isso. A equipe precisava ficar mais forte, colocar mais peso, porque os adversários vêm mais fortes. Temos visto que pelo menos cinco ou seis equipes estão mais fortes e vão brigar pelo título – salientou Cristovão.

Hoje, tudo depende do poder de persuasão de Wellington Nem para voltar para o clube que o revelou.