icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/07/2014
14:35

O Grêmio já tem um novo treinador. Após viajar para São Paulo nesta terça-feira, o presidente do clube gaúcho demoveu Luiz Felipe Scolari da ideia de um descanso até o final de 2014 e fechou a contratação do ex-comandante da Seleção Brasileira, três semanas após a goleada por 7 a 1 para a Alemanha, na semifinal da Copa do Mundo.

VOTE NA ENQUETE
> L!Net flagra conversa entre Koff e Felipão, que selou o acerto
> Você gostou da volta de Felipão ao Grêmio?

A ideia de Scolari era permanecer sem treinar nenhum clube até o final do ano, segundo seu assessor de imprensa, Acaz Fellegger. O treinador chega amanhã pela manhã a Porto Alegre e os detalhes de apresentação ainda não foram definidos.

O último trabalho do treinador foi a Seleção Brasileira. O comandante assumiu em novembro de 2012, após Mano Menezes ter deixado a CBF, e venceu a Copa das Confederações. Mas na Copa do Mundo, sucumbiu com o vexame histórico para a seleção alemã.



O Tricolor teve um rol extenso de opções. Buscou informações sobre Tata Martino e Alejandro Sabella, mas ambos não irão trabalhar imediatamente. Gilson Kleina foi sondado. E Celso Roth tem apreço de Koff, mas tem contrato em vigor e boa relação com o presidente do Coritiba. Tite, último a levantar uma taça importante com o Tricolor, em 2001, foi tentado, mas tem um planejamento de cursos até outubro deste ano.

Felipão retorna ao Grêmio após 18 anos de sua saída, em 96, após a conquista do Brasileirão e da Libertadores, esta em 95. O técnico tem relação de amizade com Koff, cultivada deste tempo. Foi o atual mandatário que deu a chance de Felipão iniciar seu rol de principais títulos, em 93, após a conquista da Copa do Brasil de 92 com o Criciúma. Antes, em 87, o treinador também havia passado pelo Tricolor.

Luiz Felipe Scolari será o quarto treinador da gestão de Fábio Koff. Desde o início de 2013, Vanderlei Luxemburgo, Renato Gaúcho e Enderson Moreira trabalharam no clube com o mandatário histórico, média de seis meses por treinador. Com eleição em setembro, a permanência de Felipão ao final do ano é uma incógnita.