icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/03/2014
08:47

Inegavelmente, a altitude é um dos maiores obstáculos para quem deseja conquistar a Copa Libertadores. O Botafogo, por sinal, vai enfrentá-la pela segunda vez na competição e novamente no Equador.

A primeira oportunidade foi contra o Deportivo Quito, ainda pela primeira fase da competição. Na ocasião, a equipe pareceu sentir os efeitos da altitude, especialmente no primeiro tempo. Na segunda etapa, até pressionou o adversário, mas acabou perdendo por 1 a 0.

Após a experiência, o técnico Eduardo Hungaro fez uma análise do desempenho do time e apontou os problemas apresentados diante dos equatorianos. A ideia é não repetir as falhas em Sangolquí.

E MAIS
> Venda de ingressos para Botafogo x Independiente del Valle começa nesta terça
> Botafogo paga direitos de imagem de janeiro aos jogadores
> Com fé, torcida do Botafogo embarca para o Equador

– Devemos ser mais contundentes, agressivos e criar mais oportunidades. O maior problema da altitude é a velocidade da bola, pois os jogadores custam a encontrar o momento certo do passe ou do chute. Naquele primeiro jogo, produzimos pouco na parte ofensiva. Temos de ter preocupações defensivas nas laterais, mas estar em cima e criar oportunidades, ser efetivos – ressaltou Eduardo Hungaro.

Pés no chão! Hungaro sonha com Libertadores mas prega cautela