icons.title signature.placeholder Rodrigo Ciantar
20/12/2013
07:27

A cabeleira não mudou nada. Mas William Barbio diz que volta bastante diferente ao Vasco. Em entrevista ao LANCE!Net, o atacante, de 21 anos, admite que a imaturidade o atrapalhou no clube e que, neste intervalo de um ano em que jogou por Atlético-GO e Bahia, aprendeu que futebol não é muito mais do que apenas correria.

- Quando comecei a jogar no Vasco, era muito novo, tinha vindo do Nova Iguaçu. Não pensava nas jogadas, só queria saber de correr com a bola, levava na correria. Hoje estou pensando mais, tocando a bola para os companheiros. Mas a característica é a mesma  - disse Barbio, garantindo que não vai mexer na cabeleira:

- Isso não muda. posso cortar um pouco, mas só (risos). Esse cabelo sempre em deu sorte.

As primeiras chances de Barbio no time profissional do Vasco ocorreram no começo de 2012, quando Eder Luis sofreu uma lesão. O atacante viveu altos e baixos, mas passou a ser criticado pela falta de gols. Até que, no começo deste ano, foi emprestado ao Atlético-GO. Mas foi no Bahia em que ele ganhou destaque.

- Não sei bem o que aconteceu. A diretoria do Atlético-GO tinha uma opinião e decidiu me afastar. Não tenho nada contra, me tratavam bem. Acho que muitos não acreditavam que eu daria a volta por cima no Bahia. Mas eu consegui, me dediquei, aprendi bastante nesse tempo - ressaltou ele.

No Bahia, Barbio diz que teve uma ajuda mais do que especial de Cristovão Borges, técnico que, inclusive, o lançou no Vasco.

- Aprendi muito com o Cristovão e só tenha a agradecer a ele. Me colocou para jogar e sempre deu apoio. Quando fui para o Bahia, ele também me ajudou, conversou e fez com que eu evoluísse alguns fundamentos, como buscar mais os gols. Agora espero poder ajudar o Vasco neste retorno - contou o atacante.

William Barbio diz que espera ajudar o Vasco no ano que vem, mas que ainda não foi informado por seu agente se de fato vai ficar na Colina, com quem tem contrato até 2016. Mas a diretoria vascaína já deixou claro que pretende utilizar o atacante na próxima temporada, até pela saída de outros atacantes, como Tenório, Willie, André, além do apoiador Marlone.

Torcida pelo Vasco no Brasileirão



Barbio viveu uma situação bastante complicada na reta final do Campeonato Brasileiro. Afinal, enquanto defendia o Bahia na fuga do Z4, também torcia pelos companheiros de Vasco, que também tentava escapar do rebaixamento:

- Sempre falava com os amigos lá, perguntava como estavam as coisas. Estava defendendo o Bahia, mas ao mesmo tempo torcendo pelo Vasco. Tudo o que tenho hoje foi o Vasco que me deu. É difícil acompanhar um time que a gente gostava passar por essa situação. Espero voltar e ajudar o time a voltar para a elite.

Um dos que Barbio mais conversava nesse meio tempo era o goleiro Diogo Silva, que defendeu o Nova Iguaçu ao lado dele.

- Sempre mandava mensagens de apoio ao Diogo. Por ser mais velho, me ajudava muito no Nova Iguaçu também. Torci muito por ele - finalizou o atacante.