icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/12/2013
17:05

Terceiro maior artilheiro do Cruzeiro no Brasileirão de 2013, o volante Nilton só não balançou mais a redes que o camisa 9 Borges e o apoiador Ricardo Goulart. Dos oito gols marcados na temporada, sete foram no torneio nacional, o que garaniu Nilton como um dos matadores da Raposa na campanha do tricampeonato. O que poucos sabem é que o cacoete ofensivo do jogador de 26 anos vem desde os tempos da base, quando ainda jogava pelo Corinthians.

- Comecei como atacante, tinha uma boa noção dentro da área, uma boa impulsão. Eu era mais magro, mas tinha uma boa impulsão, tinha um chute forte. Quando cheguei no Corinthians, eu era o único jogador de 1987 que ficava alojado, o resto eram todos nascidos em 1986, 1985, todos mais velhos - contou o volante, em entrevista à Revista Cruzeiro.

Ainda no time paulista, o volante comenta a transição para o meio campo onde passou a se destacar como volante.

- Acabei fazendo amizade com um companheiro do time. Um dia no treinamento, ele me falou que no ataque estava difícil, tinha muitos jogadores bons. ‘Poxa, joga de volante, você vai ter mais chances’. Nunca tinha jogado de volante, mas tentei. ‘Garoto, qual posição você joga?’, o técnico me perguntou. ‘A... volante. Eu ia falar atacante’. Surpreendentemente, fui muito bem e foi ali que acabei me firmando - completou.

Desde então, Nilton só cresceu. No Corinthians, o volante foi campeão Brasileiro de 2005 e da Série B em 2008. No Vasco, time que o projetoude vez para o futebol brasileiro, o volante erguer outra Série B, de 2009, e a Copa do Brasil de 2011. Por fim, chegou ao Cruzeiro e venceu o Brasileirão de 2013 logo de cara, se destacando entre os melhores jogadores do campeonato.