icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/07/2013
07:32

A vitória sobre o Fluminense amenizou o que poderia ser um início de atrito maior entre a direção do Internacional e o técnico Dunga. Após uma série de problemas administrativos em sequência, o técnico deixou claro sua insatisfação com a ausência de Willians na sexta-feira antes do confronto com os cariocas, já no Rio de Janeiro. Um dos diretores de futebol do Inter, Luís Cesar Souto de Moura, afirmou que era 'óbvio' que o volante não poderia atuar, já que estava sem contrato na rodada anterior e não cumpriria, assim, suspensão automática.

Por conta da postura de Dunga e da falta de comunicação, o Inter vai rever a forma de comunicação interna. O técnico gosta de tudo esclarecido, no papel. E esta informação não foi passada assim para ele. Logo, ele imaginou que poderia contar com Willians e por isso o integrou à delegação que viajou ao Rio de Janeiro.

- Éum pressuposto básico (Willians não jogar). Não jogou um jogo, mas não é por conta da punição. É óbvio que estará suspenso no próximo jogo. É questão de saber o padrão de comunicação formal que se deseja. Porque o treinador não contou com isso, é uma questão que temos que avaliar. Estamos satisfeitos com o trabalho dele no Inter, ele é um grande treinador. Faz um trabalho muito detalhado do ponto de vista tático, nos agrada muito. E ninguém discute a capacidade do Dunga. Mas é uma questão que estamos acertando. Se tudo precisa ser informado por ofício, vamos tratar internamente. A questão é que ele não jogou contra o Vasco porque não tinha contrato.

Dunga sempre foi assim. É correto, atencioso com os fãs, conhecedor de futebol. Mas também tem uma personalidade forte e mantém suas convicções, gosta de cobrar e prega pela competência. Tudo isso o colocou em uma posição de confronto com a direção colorada e a imprensa em alguns momentos.

- Se eu soubesse antes, deixaria ele em Porto Alegre. Mas temos que estar prontos para superar isso. A única explicação como técnico é que ele não pode jogar. Isso (erro da diretoria) tem que perguntar para os responsáveis pelo setor. Nesses últimos meses que restam do contrato, só vou cuidar da parte técnica. Na Seleção e aqui no Inter tentei intervir em algumas coisas e fui mal entendido. Então eu vou cuidar só do campo - disse, dando a entender que não continua no clube após o término do seu contrato, dia 31 de dezembro.

Outro ponto que diretoria e Dunga divergem são reforços. O técnico já indicou nomes como Vágner Love, Robinho e Júlio Baptista. Os dois primeiros não empolgaram, enquanto o último pediu demais, na visão do clube. Há também o caso Adriano, que Dunga era favorável pela contratação, mas os médicos colorados vetaram.

Além das desavenças internas, Dunga também teve alguns atritos com a imprensa. Durante um treinamento, se irritou com um fotógrafo que não cumpriu a determinação de evitar registrar os trabalhos de bola parada.

Mais recentemente, outros dois problemas: primeiro, levou um 'dossiê' com matérias e textos do Twitter dos repórteres Fabrício Falkwoski, do Correio do Povo, e Jeremias Wernek, do Uol, para os contestara. Na última semana, insinuou que o repórter da Rádio Gaúcha, Rodrigo Oliveira, ganhava presentes para questionar sobre a presença de Dátolo do time. No entanto, afirmou que havia apenas feito uma brincadeira - que gerou até mesmo uma nota oficial da Associações dos Cronistas Esportivos Gaúchos repudiando o fato.

RELEMBRE AS POLÊMICAS DE DUNGA

Expulsão e complô
Expulso contra o Esportivo, no dia 3 de março, ainda pelo Campeonato Gaúcho, Dunga reclamou de um "complô" de árbitros, que estariam o perseguindo. Um acordo o livrou de suspensão. Pagou com penas alternativas

Veto de última hora
Na véspera da partida com o Vitória, dia 25 de maio, a primeira do Brasileirão, ficou sabendo que não poderia utilizar Fabrício e Muriel. O primeiro foi expulso pela Copa do Brasil, e ficou de fora por precaução da diretoria. O segundo cumpriu uma suspensão por conta de cartão vermelho no Brasileirão de 2012. Na oportunidade, disse que foi pego de surpresa.

Caso Willians
Na última semana, não pode usar Willians para o jogo com o América, pela Copa do Brasil. O volante tinha um contrato de empréstimo com o Inter e assinaria o vínculo definitivo após o dia 30 de junho. O Inter alega que a Udinese atrasou o envio de uma documentação necessária. Dunga novamente não gostou.

Caso Willians II
Fora do jogo com o Vasco, mas sem contrato, Willians acabou não cumprindo a suspensão automática pelos três cartões amarelos recebidos no Brasileirão. Assim, ficou de fora da vitória sobre o Fluminense, no sábado. Dunga outra vez reclamou.

Contratações
Dunga tem bancado nomes. Pediu Robinho e Adriano. O primeiro foi vetado pelo alto custo. O segundo, pelo tempo necessário para readquirir a forma física. O técnico manifestou publicamente o interesse no Imperador. A direção, por sua vez, durante toda a negociação, manteve o discurso de 'não falar em nomes'.

Irritação com fotógrafo
No treinamento do dia 20 de março, Dunga comandava a atividade normalmente quando percebeu uma lente de fotógrafo mirando o campo. Caminhou em direção ao reservado da imprensa e gritou para o profissional, que tirava fotos da atividade de bola parada, algo proibido pelo técnico: 'De azul, parabéns. Você é o único malandrão, o resto são todos otários, que estão colaborando. Bacana'

Insinuações de presentes
No dia 5 de julho, Dunga foi perguntado sobre a razão de não ter usado Dátolo, um jogador da posição, no meio-campo e ter improvisado o lateral-esquerdo Fabrício. O técnico não gostou do questionamento do repórter Rodrigo Oliveira e, após a coletiva, perguntou: 'Você ganha presentes?', insinuando o motivo das questões do jornalista da Rádio Gaúcha. Após o jogo com o Vasco, disse que havia feito apenas uma brincadeira.

Opinião do especialista
Repórter e apresentador da Rádio Guaíba, Filipe Duarte.

Atualmente são 6 cabeças pensantes no Internacional; entre presidente, diretores e assessores (Luigi, Souto de Moura, Marcelo Medeiros, Roberto Melo, Eduardo Haussen e Chumbinho). Este fato, por si só, já contribuiria para que uma palavra de consenso não ecoasse no Beira-Rio. Acrescente a isso o perfil forte e explosivo do técnico Dunga e está feita a confusão. O treinador, inclusive, reclama - e com toda a razão - do vazamento de informações, erros administrativos, etc. Parece-me muito claro que a relação é estritamente profissional e tem como suporte o resultado de campo. Não sei até quando a relação continuará (talvez o tempo de contrato que resta a Dunga, como ele próprio atestou no Rio de Janeiro).

Falhas na defesa do Flu decretam derrota para o Inter

A vitória sobre o Fluminense amenizou o que poderia ser um início de atrito maior entre a direção do Internacional e o técnico Dunga. Após uma série de problemas administrativos em sequência, o técnico deixou claro sua insatisfação com a ausência de Willians na sexta-feira antes do confronto com os cariocas, já no Rio de Janeiro. Um dos diretores de futebol do Inter, Luís Cesar Souto de Moura, afirmou que era 'óbvio' que o volante não poderia atuar, já que estava sem contrato na rodada anterior e não cumpriria, assim, suspensão automática.

Por conta da postura de Dunga e da falta de comunicação, o Inter vai rever a forma de comunicação interna. O técnico gosta de tudo esclarecido, no papel. E esta informação não foi passada assim para ele. Logo, ele imaginou que poderia contar com Willians e por isso o integrou à delegação que viajou ao Rio de Janeiro.

- Éum pressuposto básico (Willians não jogar). Não jogou um jogo, mas não é por conta da punição. É óbvio que estará suspenso no próximo jogo. É questão de saber o padrão de comunicação formal que se deseja. Porque o treinador não contou com isso, é uma questão que temos que avaliar. Estamos satisfeitos com o trabalho dele no Inter, ele é um grande treinador. Faz um trabalho muito detalhado do ponto de vista tático, nos agrada muito. E ninguém discute a capacidade do Dunga. Mas é uma questão que estamos acertando. Se tudo precisa ser informado por ofício, vamos tratar internamente. A questão é que ele não jogou contra o Vasco porque não tinha contrato.

Dunga sempre foi assim. É correto, atencioso com os fãs, conhecedor de futebol. Mas também tem uma personalidade forte e mantém suas convicções, gosta de cobrar e prega pela competência. Tudo isso o colocou em uma posição de confronto com a direção colorada e a imprensa em alguns momentos.

- Se eu soubesse antes, deixaria ele em Porto Alegre. Mas temos que estar prontos para superar isso. A única explicação como técnico é que ele não pode jogar. Isso (erro da diretoria) tem que perguntar para os responsáveis pelo setor. Nesses últimos meses que restam do contrato, só vou cuidar da parte técnica. Na Seleção e aqui no Inter tentei intervir em algumas coisas e fui mal entendido. Então eu vou cuidar só do campo - disse, dando a entender que não continua no clube após o término do seu contrato, dia 31 de dezembro.

Outro ponto que diretoria e Dunga divergem são reforços. O técnico já indicou nomes como Vágner Love, Robinho e Júlio Baptista. Os dois primeiros não empolgaram, enquanto o último pediu demais, na visão do clube. Há também o caso Adriano, que Dunga era favorável pela contratação, mas os médicos colorados vetaram.

Além das desavenças internas, Dunga também teve alguns atritos com a imprensa. Durante um treinamento, se irritou com um fotógrafo que não cumpriu a determinação de evitar registrar os trabalhos de bola parada.

Mais recentemente, outros dois problemas: primeiro, levou um 'dossiê' com matérias e textos do Twitter dos repórteres Fabrício Falkwoski, do Correio do Povo, e Jeremias Wernek, do Uol, para os contestara. Na última semana, insinuou que o repórter da Rádio Gaúcha, Rodrigo Oliveira, ganhava presentes para questionar sobre a presença de Dátolo do time. No entanto, afirmou que havia apenas feito uma brincadeira - que gerou até mesmo uma nota oficial da Associações dos Cronistas Esportivos Gaúchos repudiando o fato.

RELEMBRE AS POLÊMICAS DE DUNGA

Expulsão e complô
Expulso contra o Esportivo, no dia 3 de março, ainda pelo Campeonato Gaúcho, Dunga reclamou de um "complô" de árbitros, que estariam o perseguindo. Um acordo o livrou de suspensão. Pagou com penas alternativas

Veto de última hora
Na véspera da partida com o Vitória, dia 25 de maio, a primeira do Brasileirão, ficou sabendo que não poderia utilizar Fabrício e Muriel. O primeiro foi expulso pela Copa do Brasil, e ficou de fora por precaução da diretoria. O segundo cumpriu uma suspensão por conta de cartão vermelho no Brasileirão de 2012. Na oportunidade, disse que foi pego de surpresa.

Caso Willians
Na última semana, não pode usar Willians para o jogo com o América, pela Copa do Brasil. O volante tinha um contrato de empréstimo com o Inter e assinaria o vínculo definitivo após o dia 30 de junho. O Inter alega que a Udinese atrasou o envio de uma documentação necessária. Dunga novamente não gostou.

Caso Willians II
Fora do jogo com o Vasco, mas sem contrato, Willians acabou não cumprindo a suspensão automática pelos três cartões amarelos recebidos no Brasileirão. Assim, ficou de fora da vitória sobre o Fluminense, no sábado. Dunga outra vez reclamou.

Contratações
Dunga tem bancado nomes. Pediu Robinho e Adriano. O primeiro foi vetado pelo alto custo. O segundo, pelo tempo necessário para readquirir a forma física. O técnico manifestou publicamente o interesse no Imperador. A direção, por sua vez, durante toda a negociação, manteve o discurso de 'não falar em nomes'.

Irritação com fotógrafo
No treinamento do dia 20 de março, Dunga comandava a atividade normalmente quando percebeu uma lente de fotógrafo mirando o campo. Caminhou em direção ao reservado da imprensa e gritou para o profissional, que tirava fotos da atividade de bola parada, algo proibido pelo técnico: 'De azul, parabéns. Você é o único malandrão, o resto são todos otários, que estão colaborando. Bacana'

Insinuações de presentes
No dia 5 de julho, Dunga foi perguntado sobre a razão de não ter usado Dátolo, um jogador da posição, no meio-campo e ter improvisado o lateral-esquerdo Fabrício. O técnico não gostou do questionamento do repórter Rodrigo Oliveira e, após a coletiva, perguntou: 'Você ganha presentes?', insinuando o motivo das questões do jornalista da Rádio Gaúcha. Após o jogo com o Vasco, disse que havia feito apenas uma brincadeira.

Opinião do especialista
Repórter e apresentador da Rádio Guaíba, Filipe Duarte.

Atualmente são 6 cabeças pensantes no Internacional; entre presidente, diretores e assessores (Luigi, Souto de Moura, Marcelo Medeiros, Roberto Melo, Eduardo Haussen e Chumbinho). Este fato, por si só, já contribuiria para que uma palavra de consenso não ecoasse no Beira-Rio. Acrescente a isso o perfil forte e explosivo do técnico Dunga e está feita a confusão. O treinador, inclusive, reclama - e com toda a razão - do vazamento de informações, erros administrativos, etc. Parece-me muito claro que a relação é estritamente profissional e tem como suporte o resultado de campo. Não sei até quando a relação continuará (talvez o tempo de contrato que resta a Dunga, como ele próprio atestou no Rio de Janeiro).

Falhas na defesa do Flu decretam derrota para o Inter