icons.title signature.placeholder RADAR/RNL/O LIBERAL
26/02/2015
16:46

Quando mais o time precisa, lá está ele. Tem sido essa a rotina do goleiro Vítor no Londrina. Foi assim no último domingo, contra o Rio Branco, quando ele foi o principal responsável por garantir mais um ponto para o Tubarão no Campeonato Paranaense. Com pelo menos três defesas difíceis e também um pouco de sorte, o carioca de 29 anos e 1,90 metro levou a melhor sobre o ataque do Leão da Estradinha e evitou a derrota.

Mas essa não foi a primeira vez que Vítor entrou em cena para salvar o Tubarão. Nos últimos jogos, mesmo com as vitórias, a cena tem sido comum. Como por exemplo no duelo com o Nacional, no estádio do Café, na segunda rodada do Estadual, quando defendeu um chute cruzado do atacante Tcharlles antes do gol marcado por Germano, que deu a vitória ao LEC. Roteiro que faz do jogador uma unanimidade entre torcedores e companheiros naquela que ele mesmo aponta ser a melhor fase da carreira.

- Acredito que é sim, o melhor momento da minha carreira, até porque é o momento em que consigo ter a maior sequência de jogos. Passei por muitos clubes onde joguei muito pouco. Graças a Deus, ano passado também tivemos conquistas e isso é importante para o atleta, que passa a ter mais confiança para jogar. Evolui tecnicamente porque tem essa sequência maior de jogos, também não me lesionei - disse a "Folha de Londrina".

Vítor chegou ao Londrina no início de 2014 com a missão de substituir Danilo, ídolo da torcida alviceleste que havia se transferido ao Chapecoense. Até pela sombra do antigo titular, teve problemas para se firmar. Questionado no início, só ganhou a confiança da torcida após a grande atuação no segundo jogo da final do Campeonato Paranaense de 2014, diante do Maringá, na Cidade Canção. Dali em diante firmou-se de vez e foi fundamental também no acesso à Série C do Campeonato Brasileiro. Basta lembrar as atuações diante do Pelotas, no Rio Grande do Sul, e Santos-AM, fora de casa, quando ele foi fundamental para as vitórias do LEC.

Já marcado na história do clube como goleiro do tetra estadual, o carioca sonha com mais conquistas para ficar gravado como um dos maiores que já vestiram a camisa 1 do Tubarão.

- Quando você chega ao clube, sonha sempre em ajudar de alguma forma e marcar seu nome na história. Comigo não é diferente, no Londrina ou qualquer clube que estivesse, pensaria do mesmo jeito: vestir a camisa realmente e entrar com corpo e alma nos jogos. O que vem depois é consequência. Seria muito legal continuar essa bela história que estou construindo no clube - revelou.