icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
05/07/2013
12:11


O Brasil levou um susto nesta sexta-feira, em Brasília, no ginásio Nilson Nelsen, mas conseguiu vencer a Bulgária, pela Liga Mundial de vôlei. Em confronto direto pela liderança do Grupo A, a equipe nacional perdeu o primeiro set, ams conseguiu a virada e a vitória por 3 sets a 1, com parciais de 24-26, 25-17, 25-20 e 25-23.

O grande destaque da equipe verde-amarela foi o oposto Leandro Vissotto, que brilhou principalmente nos bloqueios e foi responsável por 19 pontos. Por opção de Bernardinho, Mário Jr. não jogou e o líbero foi Alan, que salvou uma bola sensacional no match-point do quarto set.

Já pelos búlgaros, o ponta Todor Aleksiev foi o mais perigoso e maior pontuador da equipe, com 15 pontos.

Nesta Liga Mundial, o Brasil já venceu Polônia duas vezes, Argentina duas vezes, ambos os confrontos foram fora de casa. No último final de semana, venceu uma e perdeu outra para a França, em São Paulo.

Neste sábado tem mais. O Brasil volta a duelar com os búlgaros, novamente em Brasília, às 10h. Na próxma semana, nos dias 13 e 14, o Brasil encerra a participação na primeira fase com duas partidas contra os Estados Unidos, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

O JOGO:

O início do jogo foi marcado por um forte equilíbrio, mas com os búlgaros sempre mantendo uma ligeira vantagem. O Brasil conseguiu empatar em 7 a 7 após dois bons ataques de Lucarelli - em uma delas, os rivais falharam no bloqueio -, mas em seguida a Seleção falhou na recepção e a Búlgaria fez 8 a 7 antes do primeiro tempo técnico.

O Brasil veio a assumir o placar (11 a 10) após uma pedrada de Lucarelli, mas os europeus voltaram a ter boa vantagem (18 a 14) com dois saques do perigoso Aleksiev. Os búlgaros pediram tempo quando o Brasil diminuiu para 20 a 17, mas este foi mais proveitoso para o Brasil, que logo depois diminuiu em uma linda deixadinha de Wallace e disparou pro empate em 20 a 20, obrigando um novo pedido de tempo dos rivais.

O Brasil, porém, falhou nos momentos decisivos e teve de pedir tempo quando os búlgaros tinham dois set points a favor (24 a 22). A Seleção conseguiu empatar em um bloqueio de Vissotto, mas voltou a cometer erros. A derrota veio em um ataque do central Éder que parou na rede e cedeu o set aos rivais, que fizeram 26 a 24.

No segundo set, o Brasil ameaçou disparar, abriu 4 a 0, mas os búlgaros encostaram e foram para o tempo técnico perdendo por 8 a 7. Na volta, Vissotto brilhou em dois bloqueios para cima de Aleksiev e o Brasil fez três pontos com Dante no saque para abrir 11 a 7.

Em seguida, o Brasil se distanciou ainda mais com um ataque violento de Lucarelli: 14 a 8. Os búlgaros diminuíram, mas uma deixadinha de Lucarelli, dois bloqueios de Lucão - um antes do tempo técnico e outro depois - e outra pedrada de Lucarelli reafirmaram a superioridade brazuca no set: 18 a 10.  

O quadro dos búlgaros então ficou complicado e o Brasil fechou set coroando o melhor jogador da Leandro Vissoto acertou uma diagonal para fazer 25 a 17.

Alan (10) foi o líbero e responsável por grande jogada no fim (Foto: Divulgação/CBV)

O Brasil voltou com Lucão no comando. A equipe fez 4 a 2 com três pontos do central e outro após uma bola que ele salvou com o pé. O tempo técnico veio com um 8 a 5 para a Seleção após dois pontos de Vissotto e um de Lucarelli, que também se destacou em uma bela recepção para depois o próprio Vissotto finalizar.

Em seguida, o Brasil aplicou o primeiro ace do jogo, com Éder acertando um belo saque no fundo da quadra para fazer 12 a 7. A Bulgária contou com pontos de ataque e bloqueio do central Yosikov para diminur em 13 a 1o, mas o Brasil foi pro tempo técnico com 16 a 12.

O Brasil se distanciou mesmo quando Éder foi ao saque, fez dois aces e o Brasil abriu 21 a 14. O sbúlgaros ainda asssustaram diminuindo para 23 a 20, mas o Brail encerrou o set após o rival pisar na linha no ataque.

Lucarelli abriu para o Brasil com um bloqueio no quarto set. O bloqueio brasileiro passou a funcionar melhor e Vissotto voltou a brilhar no quesito antes do tempo técnico, com 8 a 4 para o Brasil.

Vissotto operou seu quinto ponto de bloqueio quando o Brasil abriu 12 a 7. A Seleção ainda vinha explorando bem o bloqueio dos europeus, que por sua vez sempre buscavam o ataque com o ponta Aleksiev. No segundo tempo técnico, Brasil à frente por 16 a 14 - antes Bernardinho já havia pedido um tempo após Alan entregar um ponto.

O jogo ganhou contornos emocionantes. A Bulgária empatou em 17 a 17, Vissotto recolocou o Brasil na frente e o técnico búlgaro pôs Miluchev em quadra para equilibrar o jogo - ele pontuou duas vezes para virar. O jogo ficou lá e cá, com os europeus sempre marcando e o Brasil empatando. Isso até que Vissotto explorou o bloqueio russo para fazer 24 a 23 a favor.

No match-point, o Brasil venceu contando com toda a raça do líbero Allan, que correu até as placas para salvar uma bola e complicar a vida dos rivais, que falharam no ataque em seguida, com uma invasão por cima. 


O Brasil levou um susto nesta sexta-feira, em Brasília, no ginásio Nilson Nelsen, mas conseguiu vencer a Bulgária, pela Liga Mundial de vôlei. Em confronto direto pela liderança do Grupo A, a equipe nacional perdeu o primeiro set, ams conseguiu a virada e a vitória por 3 sets a 1, com parciais de 24-26, 25-17, 25-20 e 25-23.

O grande destaque da equipe verde-amarela foi o oposto Leandro Vissotto, que brilhou principalmente nos bloqueios e foi responsável por 19 pontos. Por opção de Bernardinho, Mário Jr. não jogou e o líbero foi Alan, que salvou uma bola sensacional no match-point do quarto set.

Já pelos búlgaros, o ponta Todor Aleksiev foi o mais perigoso e maior pontuador da equipe, com 15 pontos.

Nesta Liga Mundial, o Brasil já venceu Polônia duas vezes, Argentina duas vezes, ambos os confrontos foram fora de casa. No último final de semana, venceu uma e perdeu outra para a França, em São Paulo.

Neste sábado tem mais. O Brasil volta a duelar com os búlgaros, novamente em Brasília, às 10h. Na próxma semana, nos dias 13 e 14, o Brasil encerra a participação na primeira fase com duas partidas contra os Estados Unidos, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

O JOGO:

O início do jogo foi marcado por um forte equilíbrio, mas com os búlgaros sempre mantendo uma ligeira vantagem. O Brasil conseguiu empatar em 7 a 7 após dois bons ataques de Lucarelli - em uma delas, os rivais falharam no bloqueio -, mas em seguida a Seleção falhou na recepção e a Búlgaria fez 8 a 7 antes do primeiro tempo técnico.

O Brasil veio a assumir o placar (11 a 10) após uma pedrada de Lucarelli, mas os europeus voltaram a ter boa vantagem (18 a 14) com dois saques do perigoso Aleksiev. Os búlgaros pediram tempo quando o Brasil diminuiu para 20 a 17, mas este foi mais proveitoso para o Brasil, que logo depois diminuiu em uma linda deixadinha de Wallace e disparou pro empate em 20 a 20, obrigando um novo pedido de tempo dos rivais.

O Brasil, porém, falhou nos momentos decisivos e teve de pedir tempo quando os búlgaros tinham dois set points a favor (24 a 22). A Seleção conseguiu empatar em um bloqueio de Vissotto, mas voltou a cometer erros. A derrota veio em um ataque do central Éder que parou na rede e cedeu o set aos rivais, que fizeram 26 a 24.

No segundo set, o Brasil ameaçou disparar, abriu 4 a 0, mas os búlgaros encostaram e foram para o tempo técnico perdendo por 8 a 7. Na volta, Vissotto brilhou em dois bloqueios para cima de Aleksiev e o Brasil fez três pontos com Dante no saque para abrir 11 a 7.

Em seguida, o Brasil se distanciou ainda mais com um ataque violento de Lucarelli: 14 a 8. Os búlgaros diminuíram, mas uma deixadinha de Lucarelli, dois bloqueios de Lucão - um antes do tempo técnico e outro depois - e outra pedrada de Lucarelli reafirmaram a superioridade brazuca no set: 18 a 10.  

O quadro dos búlgaros então ficou complicado e o Brasil fechou set coroando o melhor jogador da Leandro Vissoto acertou uma diagonal para fazer 25 a 17.

Alan (10) foi o líbero e responsável por grande jogada no fim (Foto: Divulgação/CBV)

O Brasil voltou com Lucão no comando. A equipe fez 4 a 2 com três pontos do central e outro após uma bola que ele salvou com o pé. O tempo técnico veio com um 8 a 5 para a Seleção após dois pontos de Vissotto e um de Lucarelli, que também se destacou em uma bela recepção para depois o próprio Vissotto finalizar.

Em seguida, o Brasil aplicou o primeiro ace do jogo, com Éder acertando um belo saque no fundo da quadra para fazer 12 a 7. A Bulgária contou com pontos de ataque e bloqueio do central Yosikov para diminur em 13 a 1o, mas o Brasil foi pro tempo técnico com 16 a 12.

O Brasil se distanciou mesmo quando Éder foi ao saque, fez dois aces e o Brasil abriu 21 a 14. O sbúlgaros ainda asssustaram diminuindo para 23 a 20, mas o Brail encerrou o set após o rival pisar na linha no ataque.

Lucarelli abriu para o Brasil com um bloqueio no quarto set. O bloqueio brasileiro passou a funcionar melhor e Vissotto voltou a brilhar no quesito antes do tempo técnico, com 8 a 4 para o Brasil.

Vissotto operou seu quinto ponto de bloqueio quando o Brasil abriu 12 a 7. A Seleção ainda vinha explorando bem o bloqueio dos europeus, que por sua vez sempre buscavam o ataque com o ponta Aleksiev. No segundo tempo técnico, Brasil à frente por 16 a 14 - antes Bernardinho já havia pedido um tempo após Alan entregar um ponto.

O jogo ganhou contornos emocionantes. A Bulgária empatou em 17 a 17, Vissotto recolocou o Brasil na frente e o técnico búlgaro pôs Miluchev em quadra para equilibrar o jogo - ele pontuou duas vezes para virar. O jogo ficou lá e cá, com os europeus sempre marcando e o Brasil empatando. Isso até que Vissotto explorou o bloqueio russo para fazer 24 a 23 a favor.

No match-point, o Brasil venceu contando com toda a raça do líbero Allan, que correu até as placas para salvar uma bola e complicar a vida dos rivais, que falharam no ataque em seguida, com uma invasão por cima.