icons.title signature.placeholder David Nascimento e Pedro Barboza
28/03/2014
09:01

O presidente do Conselho Deliberativo do Flamengo, Delair Dumbrosck, esteve na tarde de quinta-feira na redação do LANCE!Net no Rio de Janeiro e comentou sobre o momento conturbado que a política rubro-negra está passando na Gávea, que vinha de calmaria desde a eleição do presidente Eduardo Bandeira de Mello, no fim de 2012.

A batalha entre situação e oposição ganhou pontos críticos a partir da discussão sobre a reforma do estatuto do Flamengo. Delair Dumbrosck afirmou que queria a unificação dos textos propostos para que o clube fosse o maior beneficiado, mas esbarrou na situação.

– Chamei as lideranças das propostas apresentadas, coloquei junto com outras pessoas que conhecem bem o Flamengo para se entenderem visando a chegarmos a um modelo singular, mas o pessoal da Chapa Azul achou que não deveria topar, fazendo com que a minha negociação não tivesse êxito – disse.

E MAIS
> Blog Fora de Campo: Goleiro do Flamengo divulga prévia de seu casamento
> Libertadores volta à pauta e Everton diz: 'Dá para classificar, com certeza'

No início da semana, a atual diretoria do Flamengo denegriu gestões anteriores em e-mail enviado aos sócios sobre o estatuto, gerando revolta interna, inclusive de Delair Dumbrosck, que relembrou a necessidade do apoio destas outras pessoas para que consiga a reeleição.

– Na hora da eleição, irão necessitar do apoio de todas estas pessoas. No meu caso, estou para ajudar o Flamengo. E o que estiver errado, em qualquer gestão, não terá o meu apoio, como foi este texto. Não tem essa de proteger, tanto que o Flamengo foi o primeiro clube a dar impeachment no Brasil – apontou.

Conhecedor profundo do Flamengo, Delair Dumbrosck já vivenciou intensas crises no Rubro-Negro. Desde perda financeira até cobrança da torcida. Um fato que pode acontecer com a atual gestão caso seja eliminado na Libertadores.

– A possível eliminação trará um custo financeiro, político e cobrança da torcida que eles ainda não conhecem. Eu me tornei flamenguista pois tinha ídolos de verdade e, atrás deles, uma diretoria conhecedora. E isto fará toda a diferença – ressaltou.

Dumbrosck comentou sobre a política do Fla nos estúdios da L!TV (Foto: Paulo Sergio/L!Press)

Falta de experiência é criticada

Delair Dumbrosck passou por diversas experiências enquanto esteve à frente do Flamengo em 2009. O atual presidente do Conselho Deliberativo comentou sobre as decisões importantes que precisou tomar, criticou a atual diretoria que, segundo ele, vangloria-se por isso e erra em alguns pontos no departamento de futebol.

– Rescindi com a Petrobras e trouxe outro patrocinador, coloquei o salário em dia, fui campeão carioca e brasileiro, entreguei o clube para a Patricia Amorim sem me vangloriar por nada. Nunca falei que as gestões anteriores eram danosas. Rescindi com a Nike, trouxe a Olympikus e dei um plantel montado. A atual diretoria não deve denegrir os outros, deve contratar direito. São experiências que estão jogando fora, como exemplo a contratação junto ao Grêmio de Elano. O Carlos Eduardo que não rendeu aqui e já jogou lá, poderiam terem feito uma troca e economizar – disse.

Bate-Bola
Delair Dumbrosck
PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DO FLAMENGO
EM VISITA AO LANCE!NET

Por que a sua ideia inicial de reforma de estatuto não seguiu?
O ponto principal foi que queria reduzir o Conselho Deliberativo para 300 pessoas, visando aumentar a representatividade, ponto que peca hoje em dia, com todos sendo eleitos. Os azuis no início acharam genial, mas, depois de eleitos, falaram que queriam deixar como está, pois desejavam continuar como conselheiros.

Como está a política do Flamengo?
Quando a Chapa Azul se elegeu, a política do Flamengo estava calma, mas agora já está pegando fogo. Estamos chegando em 2015 em outra eleição e a tendência é que a turbulência aumente mais entre situação e oposição. Eu sempre serei imparcial.