icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/07/2013
19:05

A Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro apreendeu no domingo, dia da final entre Brasil x Espanha, 59 quilos de comida em três diferentes lanchonetes dentro do estádio. Sanduíches de pasta de frango estavam expostos à temperatura ambiente e salsichas armazenadas sem identificação do prazo de validade foram encontradas pelo órgão, que autuou e notificou as lanchonetes. O sanduíche não estava sendo comercializado e era para o lanche de funcionários, enquanto a salsicha seria usada para o preparo do cachorro-quente, ítem vendido a R$ 8.

A Vigilância Sanitária atuou em todos os jogos da Copa das Confederações no Maracanã, mas este foi o único em que encontrou problemas. Procurados, a Fifa e o Comitê Organizador Local da Copa-2014 (COL) ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

E MAIS:

L!TV faz balanço da Copa das Confederações

Governo gastou R$ 8 milhões a mais com segurança na Copa das Confederações

A Fifa, porém, já estava atenta à reclamação constante dos torcedores sobre a qualidade das bebidas e comidas servidas nos estádios da Copa das Confederações. Além do preço, a maior parte das reclamações foi sobre o cachorro-quente. Segundo torcedores, era usado um pão de baixa qualidade no preparo do lanche. A entidade máxima do futebol já havia reconhecido que este é um ponto para ser reforçado para a Copa do Mundo, ano que vem. A Aramark e Convivas Brasil foi a empresa escolhida pela Fifa para prestar o serviço nos estádios.

A Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro apreendeu no domingo, dia da final entre Brasil x Espanha, 59 quilos de comida em três diferentes lanchonetes dentro do estádio. Sanduíches de pasta de frango estavam expostos à temperatura ambiente e salsichas armazenadas sem identificação do prazo de validade foram encontradas pelo órgão, que autuou e notificou as lanchonetes. O sanduíche não estava sendo comercializado e era para o lanche de funcionários, enquanto a salsicha seria usada para o preparo do cachorro-quente, ítem vendido a R$ 8.

A Vigilância Sanitária atuou em todos os jogos da Copa das Confederações no Maracanã, mas este foi o único em que encontrou problemas. Procurados, a Fifa e o Comitê Organizador Local da Copa-2014 (COL) ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

E MAIS:

L!TV faz balanço da Copa das Confederações

Governo gastou R$ 8 milhões a mais com segurança na Copa das Confederações

A Fifa, porém, já estava atenta à reclamação constante dos torcedores sobre a qualidade das bebidas e comidas servidas nos estádios da Copa das Confederações. Além do preço, a maior parte das reclamações foi sobre o cachorro-quente. Segundo torcedores, era usado um pão de baixa qualidade no preparo do lanche. A entidade máxima do futebol já havia reconhecido que este é um ponto para ser reforçado para a Copa do Mundo, ano que vem. A Aramark e Convivas Brasil foi a empresa escolhida pela Fifa para prestar o serviço nos estádios.