icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/03/2014
16:43

Luís Paulo Rosenberg, vice-presidente do Corinthians, reafirmou que a abertura da Copa do Mundo deveria acontecer no Morumbi, estádio do São Paulo, e não na Arena Corinthians, que está na reta final de construção. Em entrevista ao blog do Perrone, no UOL, um dos idealizadores da nova casa corintiana repetiu o que já havia dito em 25 de outubro de 2011 (leia aqui).  

Rosenberg, que apesar do cargo tem se mantido afastado das decisões no clube, inclusive no que se refere ao estádio, negou que o Corinthians, tenha recebido ajuda do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva no projeto e afirmou que aceitar sediar o primeiro jogo do Mundial, no dia 12 de junho, não foi bom negócio.

- Foi um erro aceitar a abertura. Continuo achando que a abertura deveria ser no Morumbi. Porque já estava lá. Quem disse que o Brasil tem que fazer a abertura no estádio mais moderno do mundo? Não precisa. Por que não pode ser no Morumbi? Como economista digo que a solução mais racional seria a abertura no Morumbi, e o Pacaembu ficar por 30 anos com o Corinthians, que bancaria a modernização, faria a restauração do patrimônio histórico dele. Não tem vantagem nenhuma para o clube ser estádio de abertura de Copa. É só pentelhação e aumento de gasto. 

Veja os principais trechos da entrevista de Rosenberg ao Blog do Perrone, no site UOL:

QUANTO TEMPO PARA PAGAR
"Eu vou pagar o estádio em 12 anos, não tenho que pagar em seis. Então cria um falso debate. Tenho um financiamento para pagar em 12 anos e cabe dentro do orçamento. O que o Andrés quis mostrar é que se o estádio custa R$ 800 milhões e tem uma geração de R$ 120 milhões, R$ 130 milhões por ano, em seis anos ele paga. Não é isso que vai acontecer. Nós vamos pagar nos mesmos 12 anos..."

COMO PAGAR
São R$ 30 milhões anuais. De manutenção e operação. O Andrés mostra R$ 150 milhões de receita, vamos pegar as outras todas (receitas), dá no total R$ 250 milhões. Tira R$ 30 milhões do custo de construção do estádio, dá R$ 220 milhões. No primeiro ano, se os juros forem altos, vamos gastar uns R$ 200 milhões. O pior ano vai ser o primeiro. Daí pra frente melhora. Então, até agora não está ameaçado.  Mas se a Prefeitura não libera os CIDs (Certificados de Incentivo de Desenvolvimento)… Aí estamos falando de dinheiro grosso. Muito mais sério do que naming rights. Porque, apesar de os CIDs serem de R$ 420 milhões e naming rights R$ 400 milhões, os CIDs são cash. O combinado é entregou o estádio para a FIFA a Prefeitura tem que colocar o dinheiro à nossa disposição. Isso abate um monte de juros que teriam que ser pagos, enquanto os naming rights se espalham por 20 anos. Começo a ver a Prefeitura passar o custo da (estrutura de) hospitalidade para o Corinthians,  não vai querer fazer gracinha de querer passar também os (valores referentes aos) CIDs.
 
SHOWS NA ARENA CORINTHIANS
"A gente entra numa área muito especulativa. Isso vai ter a ver com o desenvolvimento que a Zona Leste vai ter. Talvez, ele possa ser um grande polo de shows, de música sertaneja com ingresso mais barato e o Palmeiras fica com as Madonnas da vida. O que sei é que pro Tricolor vai ser difícil sobrar alguma coisa. O cara que pega aquilo (futura arena para shows no Morumbi) para estudar fala: “como que eu concorro com o Parque Antarctica”? É duro. O estádio do Palmeiras é muito privilegiado, acessibilidade fantástica, não tem que atravessar a ponte. Pra concluir pela viabilidade de Itaquera nunca se colocou um tostão de previsão de receita com show. O Corinthians deve ser um dos únicos clubes do Brasil que consegue pagar uma arena dessas com receita de jogo. Não quer dizer que no futuro a gente não venha fazer. Se aquilo se revelar um polo atraente para shows, a gente pode fazer. Hoje existe tecnologia que permite fazer o show, não perder o jogo e ainda proteger o gramado. Mas por enquanto não é preocupação nossa."

PREÇO DOS INGRESSOS?
"Não é que o prédio leste vai ter o mesmo preço de atrás dos gols. Ele criou dois blocos [no prédio leste], um a R$ 150 e a outra metade ele cobra acho que R$ 70. Isso pode ser administrável. Não é mais aquele cálculo de 16 mil lugares vendidos a R$ 30. Ele já está com preço médio perto de R$ 130, que já é mais do que no Pacaembu. Estou supondo que ele trabalha com preços efetivos, depois de descontos oferecidos para o sócio-torcedor."

NAMING RIGHTS
"Sempre pensamos em coisa de R$ 400 milhões por 20 anos. O mercado tá muito ruim por causa da Copa. Essa é a principal razão para os naming rights não terem saído ainda. Entre o crescimento mais lento do Brasil e a Copa está havendo um deslocamento da disponibilidade de recursos para promoção muito grande. Mas isso passa, não acho que está muito longe desse valor, o que nós vamos conseguir no final da obra. Tá dois anos atrasado."

QUANTO SERÁ GASTO NA MANUTENÇÃO?
"R$ 30 milhões anuais. De manutenção e operação."

VENDA DE CAMAROTES
"Isso vai vender como pão de queijo e são só cem. Gostaria de já estar vendendo ingresso para ter mais noção dessa previsão de receitas com bilheteria. A grande mudança que a gente precisa fazer é vender o ingresso pra temporada toda. Não precisa ser a vista, mas eu comprometi o cara com a compra e não dependo tanto [do resultado] do futebol, da chuva."

LULA AJUDOU PARA A CONSTRUÇÃO DO ESTÁDIO?
"Você acha que precisa convencer o vampiro a tomar sangue? Por que precisa convencer a Odebrecht? Qual o dinheiro que ela está investindo? Qual o favor que ela me fez? Lula é um corintiano fanático, e uma das figuras de mais destaque do país, só isso. O que ele fez pelo estádio? Nada. Pergunta pro Andrés. Ele torceu pra ficar pronto. Legal."