icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/11/2013
20:09

As oitos equipes que disputam o Ato 8, etapa que decidirá o campeão da temporada 2013 do Extreme Sailing Series, enfrentaram uma grande adversidade nesta sexta-feira, em Florianópolis (SC): os fortes ventos. Além do sol forte, os velejadores encararam ventos de mais de 60 km/h. Para preservar a segurança dos velejadores, a Comissão de Regatas optou por realizar apenas três das oito largadas que estavam previstas. Dentro da água, o Red Bull Sailing Team obteve uma vitória, enquanto o The Wave Muscat, a outra. Com isso, o barco de Omã segue na liderança do campeonato e da etapa brasileira.

- Foi um belo dia de corridas. Perdemos o tempo de contorno da boia na primeira regata, mas depois conseguimos tirar a máxima velocidade do barco para ganharmos as outras duas. Podemos comparar com o primeiro dia da etapa anterior, em Nice (FRA), onde também tivemos de enfrentar as ondas e o vento forte, mas estamos preparados para todas as condições - disse o bicampeão olímpico, o austríaco da classe Tornado, Roman Hagara, comandante do Red Bull Sailing Team, terceiro colocado na classificação geral.

O líder omani venceu uma regata e manteve a regularidade, sua maior virtude na temporada.

- Enfrentar os ventos fortes foi o maior desafio. Fizemos uma das corridas mais difíceis do ano. Ainda bem que as ondas não eram altas. Abrimos nove pontos de vantagem para o Alinghi (SUI), mas isso não quer dizer nada - analisou o comandante do The Wave Muscat, Leigh McMillan.

As quebras foram inevitáveis. O Team Brazil Mapfre, com a tripulação buscando adaptar-se ao barco durante as regatas, não conseguiu completar nenhuma das três provas. Largou bem na segunda, chegou a velejar ao lado dos líderes na primeira perna, mas o equipamento não resistiu.

- Estava difícil para nós e complicou ainda mais quando a Comissão pediu para diminuirmos a área vélica. Perdemos a primeira largada. Estávamos ganhando velocidade na segunda, quando quebrou o gurupés, peça que sustenta a vela-balão. Vamos fazer os reparos e pensar no sábado - disse o comandante brasileiro, Clínio de Freitas.

Outra vítima das rajadas de Florianópolis foi o suíço Realteam, avariado na última regata.

A disputa prossegue neste sábado, a partir das 14h (de Brasília). A programação prevê oito regatas.


Confira a classificação após o segundo dia:

1 - The Wave Muscat (OMA): 95 pontos
2 - Alinghi (SUI): 86 pontos
3 - Red Bull Sailing Team (AUT): 81 pontos
4 - SAP Extreme Sailing Team (DEN): 78 pontos
5 - ChinaSpirit (CHN): 70 pontos
6 - Real Team (SUI): 60 pontos
7 - GAC Pindar (NZL): 58 pontos
8 - Team Brazil Mapfre (BRA): 28 pontos