icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/07/2014
08:00

Terminada a Copa do Mundo no Brasil, a próxima grande competição que a Seleção Brasileira irá disputar será a Copa América, com sede no Chile no ano que vem. Ao contrário da edição anterior (disputada na Argentina), quando se apresentou um futebol abaixo do esperado, a competição continental do ano que vem promete.

Isso porque as seleções latino-americanas apresentaram um ótimo desempenho no Mundial. Entre as 10 primeiras posições da Copa, cinco equipes disputarão a Copa América: Argentina (vice-campeã mundial), Brasil (4º  lugar na Copa 2014), Colômbia (5º lugar na Copa), Chile e México (9º e 10º lugar na Copa, respectivamente).

Na Copa América de 2011, Argentina (dona da casa) e Brasil foram eliminados de forma precoce e se quer chegaram nas semifinais do torneio. O título ficou com o Uruguai, que vinha de um ótimo Mundial da África do Sul em 2010 e venceu o Paraguai na final.

VEJA O QUE CADA SELEÇÃO PROMETE PARA A COPA AMÉRICA 2015:

CHILE

Serão os donos da casa na Copa América. Uma boa geração, comandada pelo goleiro Bravo, do Barcelona (ESP) e pelo atacante Alexis Sanchez, do Arsenal (ING). Um bom time taticamente. Na Copa, superaram a Espanha (atual campeã do mundo na ocasião) e passaram da fase de grupos. Contra o Brasil nas oitavas, só foram eliminados nos pênaltis, depois de acertarem uma bola no travessão no último minuto da prorrogação.

Destaque do Chile na Copa, Alexis Sánchez pode comandar equipe da casa na Copa América no ano que vem (Foto: Martin Bernetti/AFP)

ARGENTINA

A geração comandada por Messi não teve sucesso na final da Copa do Mundo, mas continua sendo forte. Mascherano, Lavezzi, Aguero, Di Maria e Higuain comandam a seleção argentina. O volante Biglia e o lateral Rojo foram surpresas no Mundial e tiveram bom desempenho. A zaga, que era o setor mais contestado, acabou sendo um dos mais consistentes durante o Mundial. Os "hermanos" vem forte e como favoritos na Copa América.

O craque Lionel Messi, eleito o melhor jogador da Copa, já foi eleito quatro vezes o melhor jogador do Mundo e continua sendo o destaque da Argentina (Foto: Adrian Dennis/AFP)

BRASIL

Neymar deve liderar a próxima geração e é um dos que podem ser aproveitados após o vexame histórico sofrido na Copa. Nomes como Philipe Coutinho, do Liverpool (ING), além de Lucas, do PSG (FRA) e Ganso, do São Paulo, podem pintar nas próximas convocações em busca de mudanças.

No Mundial, o Brasil enfrentou seus "vizinhos": só empatou com o México, sofreu com o Chile (bola na trave de Pinilla no último minuto da prorrogação) antes de avançar nos pênaltis e fez um primeiro tempo bom contra a Colômbia, mas deu chance pro azar no fim.

Acabou em um melancólico quarto lugar após sofrer 10 gols em dois jogos (7 só na semi contra a Alemanha). Setor defensivo, visto como o mais forte antes da Copa, ficou marcado por recorde negativo: pior defesa brasileira em uma edição de Copa, 14 gols sofridos. A força da camisa sempre o coloca como favorito em uma Copa América, mas deve enfrentar dificuldades.

Até o ano que vem, Neymar já deve ter se recuperda totalmente da lesão sofrida na vértebra e, junto com uma nova comissão técnica, irá comandar o Brasil (Foto: AFP)

COLÔMBIA

Sem o astro Falcão Garcia, o jovem meia James Rodriguez roubou a cena no Mundial e decidiu. Foi artilheiro da Copa, marcando um golaço contra o Uruguai nas oitavas e deixando sua marca contra o Brasil nas quartas. A Colômbia saiu da competição com um dos melhores ataques e entre as cinco melhores. Com Falcão na frente, time deve ser ainda melhor na competição disputada no Chile em 2015.

Falcao Garcia ficou de fora da Copa por conta de uma lesão. Recuperado, irá se juntar a revelação James Rodriguez para tentar fazer história no Chile (Foto: Clive Brunskill/ Getty Images)

EQUADOR

Os jovens meias Antonio Valencia, do Manchester United (ING), e Cristian Noboa, do Dínamo de Moscou (RUS), além dos atacantes Felipe Caicedo, do Al Jazira (EAU), foram destaques do time na Copa e também estão cotados para liderarem uma nova etapa do futebol equatoriano. Entre os 17 eliminados logo na primeira fase da Copa, os equatorianos foram os melhores.

O jovem meio campista Cristian Noboa é a esperança de uma boa campanha na competição continental. Ele tem a companhia dos atacantes Valencia e Caicedo (Foto: Rodrigo Buendia/ AFP)

MÉXICO

O atacante "Chicharito" Hernández, do Manchester United (ING) e Giovani dos Santos, do Villarreal (ESP), devem tentar reencontrar o melhor futebol que não tiveram na Copa junto com uma geração que foi campeã olímpica em 2012, quando Oribe Peralta, atacante do Santos Laguna (MEX) foi destaque. O meia Luis Montes, que se lesionou antes do Mundial e foi cortado pode voltar a seleção, que ainda deve contar com a experiência do zagueiro Rafa Marquez.

Oribe Peralta é um dos destaques do México, que tem o talento de Giovani dos Santos e 'Chicharito' Hernandes (Foto: Gabriel Bouys/ AFP)

URUGUAI

Apesar do fiasco na estreia contra a surpreendente Costa Rica, venceu dois campeões mundiais na Copa (Itália e Inglaterra). Um dos principais atacantes, Cavani, do PSG (FRA), não fez a Copa que se esperava dele, mas é perigoso. Já Suarez decidiu quando jogou, mas ficou marcado pela polêmica mordida em Chiellini.

A Celeste ainda conta com o lateral do São Paulo, Alvaro Pereira, um dos símbolos da raça do time, além do jovem meia Lodeiro, do Corinthians e do contestado goleiro Muslera, que tem o regular Martin Silva, do Vasco, como sua sombra na reserva.

Suarez ficou marcado na Copa de 2010 por tirar um gol claro com a mão e nesta Copa por morder um jogador. Mas quando jogo, faz a diferença na Celeste (Foto: Daniel Garcia/ AFP)

Além dessas seleções citadas, outra equipe que devemos observar com atenção são os Estados Unidos, que vão sediar uma edição especial de centenário da Copa América em 2016. A Major League Soccer (MLS), liga de futebol norte-americana, vem crescendo e melhorando a cada ano. No Mundial do brasil, foram eliminados nas oitavas pela Bélgica, mas antes, na fase de grupos, fizeram jogo duro e perderam só de 1 a 0 da futura campeã Alemanha.