icons.title signature.placeholder Rodrigo Vessoni e Valdomiro Neto
04/07/2014
10:44

O confronto deste sábado no Mané Garrincha, em Brasília, trará uma peculiaridade aos duelos válido pelas quartas de final da Copa do Mundo: será o duelo da seleção de maior média de idade (Argentina) contra a de menor média, a Bélgica.

A média de idade do grupo de Alejandro Sabella é de 27,6 anos, a maior entre os oito melhores que ainda sonham com o título. O zagueiro Hugo Campagnaro, de 34 anos, é o principal representante dessa 'velhice' dos hermanos, que ainda têm Demichelis (33), Maxi Rodríguez (33) e Orión (32). Já os comandados de Marc Wilmots tem uma média de idade de 24,5 anos, a menor nesta fase da competição mundial. O atacante Divock Origi, de apenas 19 anos, é o representante dessa juventude belga. Esse jogador, aliás, é um dos cinco de menos idade entre todos que disputaram o Mundial. Isso sem falar em outros 'bebês', como Nacer Chadli (19 anos, com dois meses a mais que Origi), Lukaku (21) e Courtois (22).

Essa disputa entre 'velhos' e 'jovens' se torna importante e fundamental para imaginar um vencedor pelo que se viu no último jogo, tanto de Argentina quanto da Bélgica. Coincidência ou não, os hermanos ficaram sem perna na prorrogação contra a Suíça. O gol de Dí Maria, em jogada individual de Messi, foi o único lance criado após o término normal. Após a partida, apesar da felicidade pela vitória, os jogadores não esconderam que a questão física virou obstáculo.

- Não há como negar, cansamos. Não foi fácil. Demos tudo em campo e nos desgastamos como nunca - afirmou o lateral-esquerdo Rojo que, assim como os outros titulares, não tiveram treinos com bola nos três dias seguintes à partida, numa demonstração de que a busca é pela recuperação.

Em contrapartida, os europeus não tiveram dificuldade para empurrar os americanos para trás, perder inúmeros gols e pressionar até o último minuto da prorrogação. Não é por acaso que os dois gols da Bélgica saíram depois do tempo normal: Kevin De Bruyne, aos três minutos da prorrogação, e Romelu Lukaku, aos 15 minutos do duelo na Arena Salvador. Demonstração que o fôlego esteve em dia. A juventude da maioria dos jogadores, nesse caso, colaborou...

- A Argentina tem Messi, o Brasil tem Neymar mas a Bélgica tem um jogo coletivo muito forte. Prefiro equipes assim. O que me preocupa mais é o esforço físico. Não acredito que o jogo contra a Argentina vá se definir nos 90 minutos. Deve haver prorrogação e estamos nos preparando para isso - afirmou o técnico Marc Wilmots.

AS MÉDIAS DE IDADE DOS 23 DE CADA ELENCO DAS QUARTAS:
Bélgica: 24,52
Alemanh: 24,74
Holanda: 25,00
Costa Rica: 25,06
França: 25,39
Colômbia: 26,04
Brasil: 26,83
Argentina: 27,61

OS 10 MAIS VELHOS DA ARGENTINA:
Hugo Campagnaro (34)
Demichelis (33)
Maxi Rodríguez (33)
Orión (32)
Palacio (32)
Andújar (30)
Basanta (30)
Mascherano (30)
Zabaleta (29)
Lavezzi (29)

OS 10 MAIS NOVOS DA BÉLGICA:
Divock Origi (19)
Nacer Chadli (19)
Lukaku (21)
Courtois (22)
Kevin De Bruyne (22)
Hazard (23)
Toby Alderweireld (25)
Axel Witsel (25)
Nacer Chadli (26)
Simon Mignolet (26)

OS CINCO MAIS VELHOS DA COPA:
Mondragón Colômbia 42 anos
Yepes Colômbia 38 anos
Karagounis Grécia 37 anos
Valladares Honduras 37 anos
Buffon Itália 36 anos

OS CINCO MAIS NOVOS DA COPA:
Fabrice Olinga    Camarões    18 anos
Luke Shaw    Inglaterra    18 anos
Julian Green    Estados Unidos    19 anos
Carlos Gruezo    Equador            19 anos
Divock Origi    Bélgica             19 anos