icons.title signature.placeholder Felippe Rocha
17/12/2013
17:35

Na tarde desta terça-feira, na 37ª Vara Cível do Rio de Janeiro, uma audiência poderia anular a última eleição do Vasco, de 2011 e marcar um novo pleito. Uma nova eleição seria marcada também se houvesse um acordo entre o autor do processo, José Henrique Coelho, e Roberto Dinamite, um dos réus. Mas não houve nem acordo nem anulação. O juiz reconheceu como desnecessárias as testemunhas do processo, sendo as provas documentais suficientes, alterando, assim o processo. As partes têm agora dez dias para apresentar as argumentações finais para, então, ser proferida a sentença do juiz. Mas, sem acordo, os dois poderão entrar com recurso.

As partes se reuniram na tarde desta segunda-feira e antes da audiência desta terça-feira em busca do acordo que não teve sucesso. Presidente do clube e um dos réus no caso, Roberto Dinamite não compareceu à sessão.

- Não aceitaram o acordo que nós propusemos. Nós vemos com tristeza. E na conversa ele foi taxativo: não vê possibilidade de renúncia. Disse ainda que não tem responsabilidade no que está acontecendo. O que nos deixou até surpreso, como vascaíno. Se ele não é responsável, quem é? Nós apresentamos considerações, mas o presidente ficou sentado em sua poltrona - afirmou Coelho, que foi candidato no pleito em questão e já fora vice-presidente de Marketing no primeiro mandato de Dinamite.

A sentença do juiz Sandro Lúcio Barbosa Pitassi será proferida após as alegações finais, mas o advogado de José Henrique, Luiz Américo, reiterou que, mesmo que a eleição de 2011 seja anulada e um novo pleito seja agendado, se estiverem insatisfeitos, ambas as partes poderão recorrer da decisão.

- Agora está na mão do juiz. A nossa tese está correta, mas sem o acordo, as duas partes poderão recorrer. O melhor seria um entendimento. Vamos aguardar - comentou.

No processo, a acusação alega que houve irregularidades no pleito, principalmente a presença do presidente da Assembleia Geral à época como candidato à reeleição e como juiz do pleito. O processo caminhava na justiça desde então e, no meio deste ano, ainda longe da crise vivida pelo Vasco, foi marcada a audiência na qual o processo estaria pronto para a sentença.